Índice de infestação cai em Passo Fundo

Levantamento realizado em outubro deste ano apontou índice de 0,6. Em maio, este número chegava a 5,9

Por
· 2 min de leitura
De acordo com o Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, Passo Fundo registrou, até o momento, dois casos confirmados de dengue em 2019De acordo com o Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, Passo Fundo registrou, até o momento, dois casos confirmados de dengue em 2019
De acordo com o Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, Passo Fundo registrou, até o momento, dois casos confirmados de dengue em 2019
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora ainda figure na lista das cidades gaúchas com alto risco de infestação do mosquito, o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) aponta uma queda significativa na presença do inseto nas residências de Passo Fundo. A redução é uma comparação entre os dados relativos a maio e outubro de 2019. Realizado pelo Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde da Secretaria de Saúde de Passo Fundo, o levantamento apontou que, durante o último mês, a cada 100 residências visitadas no município, 0,6 apresentavam índice de infestação de larvas do Aedes. Em maio, quando a infestação era considerada grave, este número chegava a 5,9.


O trabalho, executado pelos agentes de combate às endemias e agentes comunitários de saúde em visita a cerca de três mil imóveis definidos por amostragem, revelou o segundo menor índice de infestação registrado neste ano – um indicativo considerado baixo para epidemia, segundo avaliação do Ministério da Saúde. No entanto, a chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, Ivânia Silvestrin, salienta que o dado de 0,6 ainda é preocupante para Passo Fundo, município infestado desde 2013. “É normal que essa queda ocorra durante a transição do frio para o calor, porque os dias quentes favorecem a proliferação mais rápida do Aedes, enquanto os períodos de frio intenso auxiliam no controle. Para compararmos, no ano passado, por exemplo, realizamos um levantamento em março que apontava índice de 5,4. Em novembro, caiu para 0,8. É uma variação semelhante à deste ano. Certamente, no próximo Lira, que será no verão, este índice estará maior”, observa.


O LIRAa é realizado em todos os municípios brasileiros infestados pelo Aedes aegypti, por determinação do Ministério da Saúde, e permite que, com base nas informações coletadas, sejam identificados os bairros onde estão concentrados focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do inseto.


Casos confirmados de dengue
De acordo com o Núcleo de Vigilância Ambiental em Saúde, Passo Fundo registrou, até o momento, dois casos confirmados de dengue em 2019. Um deles, contraído no próprio município. O outro, importado de Mato Grosso do Sul. “No caso autóctone, foi uma moradora do bairro Vera Cruz. A confirmação foi em 22 de outubro deste ano, em uma época bem incomum, algo que reacende o alerta. Normalmente, casos positivos no município se apresentam entre novembro e final de abril, quando os índices de infestação estão mais elevados no Sul”. Quanto aos casos notificados, mas não confirmados, o número chegou a cerca de vinte.


Apesar de os casos de dengue terem se mantido estáveis em Passo Fundo – no ano passado, no mesmo período, também foram confirmados dois casos –, no Rio Grande do Sul o número subiu expressivamente. Em 2018, em todo o Estado, entre o primeiro dia de janeiro e o dia 6 de outubro, 21 pessoas tinham sido vítimas de dengue. Neste ano, no mesmo período, já são mais de 1.300 confirmações.


População deve continuar atenta
Independente dos índices, Ivânia Silvestrin reitera que os cuidados por parte da população passo-fundense precisam ser mantidos: não manter água parada em hipótese alguma em casa; condicionar lixos em local correto; manter caixas d'água bem vedadas; descartar pneus no Ecoponto; preservar tonéis de água da chuva bem vedados com tampa e tela; não usar pratinhos em plantas; e colocar garrafas com a boca virada para baixo.

 

Gostou? Compartilhe