OPINIÃO

Seu Sampaio

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O 7 de fevereiro de 2020 define o fim das atividades do observador meteorológico Ivegndonei Luiz Pinto Sampaio na Embrapa e o começo de uma nova fase na sua vida. Depois de 41 anos de trabalho na Empresa, Ivegndonei Sampaio aderiu a um Programa de Desligamento Incentivado e, a partir de segunda-feira (10), não mais estará à frente das observações do tempo e do clima na estação Climatológica Principal de Passo Fundo. Que dizer sobre Ivegndonei Luiz Pinto Sampaio? Agradecer pelo trabalho que realizou? Elogiar o homem, o colega de trabalho e o profissional de alta respeitabilidade? Sim, mas por mais que eu diga, e ainda que tudo seja verdade; seria pouco. Então optei, para aqueles (e são muitos) que o conhecem apenas pelos veículos de comunicação, por apresentá-lo um pouco melhor.


Ivegndonei Luiz Pinto Sampaio, o “Juca” (para os familiares), o “Jandaia” (para os colegas da Embrapa, em alusão a uma maritaca barulhenta do Nordeste), o “Ivegndonei Sampaio” (para os jornalistas) e “Seu Sampaio” (para muitos passo-fundenses) é natural de Xanxerê, SC. Nasceu no dia 20 de fevereiro de 1958 e é filho de Adão Pinto Sampaio (in memoriam, músico e barbeiro) e Alda Rosalia Antoniazzi (aposentada, trabalhou muitos anos na SAMI e no Lar da Menina). Veio para Passo Fundo aos 6/7 anos, acompanhando os pais, que logo se separaram, e mais 5 irmãos, que ficaram sob os cuidados da mãe. Ivegndonei, junto com Igorvani e Igalivan (falecidos), faz parte da tríade de nomes inspirados em personagens de um romance polonês que Dona Alda leu quando estudava em colégio de freiras. Também, havia as irmãs Gislaine (falecida), Igle e Elaine.
Ivegndonei foi casado com a Sra. Roseclér Aparecida de Almeida Kunz, com quem teve os filhos Bruna Sampaio (09/09/1986) e Felipe Sampaio (10/09/1992). O casal se separou, consensualmente, em 1997, e Bruna e Felipe, ainda crianças, ficaram com o pai, que os criou e os educou com esmero. Hoje, do núcleo familiar mais próximo, além da Bruna e do Felipe, são partes o genro Jonatan e as netas Júlia e Isabela.


Houve muitos Ivegdoneis Sampaio na Embrapa, desde o seu ingresso em 16 de janeiro de 1979. O sindicalista (foi presidente da seção local, dirigente regional e nacional do SINPF), o empregado que ascendeu na carreira na Empresa (de auxiliar de campo a assistente), o adulto que votou a estudar (concluiu o Ensino Fundamental pela Escola Técnica Federal de Santa Catarina em 2002) e que se consagrou como observador meteorológico, função que exerceu com maestria desde 28 de abril de 1998 até o último dia de trabalho, recebendo visitantes na estação meteorológica (310 pessoas, em 2019), atendendo solicitações da imprensa (em 2019, 264 entrevistas para rádios e jornais e 27 para TVs) e demandas diversas da comunidade. Competente, atencioso, gentil, inteligente e perspicaz, o “Seu Sampaio” angariou simpatias e respeito.


Não foram poucas as vezes que, nos últimos anos, andando por supermercados, nas calçadas das ruas da cidade, nos shopping centers etc., eu fui chamado de “Seu Sampaio” e recepcionado com cumprimentos efusivos, tipo “Seu Sampaio, que satisfação o encontrar! Gostei muito da sua entrevista na rádio Uirapuru. O JG sempre tentando pegar o senhor!”. No início eu esclarecia o equívoco e dizia que eu era o Gilberto Cunha e que o Ivegndonei Sampaio era colega meu, mas não era eu. Depois desisti. Passei a retribuir os cumprimentos e responder as perguntas como se eu fosse o “Seu Sampaio”. Na última vez que lembro (não faz muito tempo), mantive, travestido de “Seu Sampaio”, uma longa conversa com um professor de educação física, na sala de espera de um consultório odontológico. Acredito que o “Seu Sampaio” não se saiu mal no esclarecimento das dúvidas sobre meteorologia levantadas pelo professor.

 
Agora, aposentado, Ivegndonei Sampaio, sem medo de ser feliz, poderá resgatar o antigo grupo de cinéfilos que pertenceu, cujo gosto refinado por películas singulares e raras, marcou época na Embrapa. Em nome dos colegas do Laboratório de Meteorologia Aplicada à Agricultura da Embrapa Trigo, o nosso MUITO OBRIGADO, JANDAIA! E felicidades, que você merece.

Gostou? Compartilhe