Corsan estuda implementar sistema de captação de água no Capingui

Até 2035, companhia de abastecimento vai investir R$ 300 milhões em Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?


A Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN) entrou na fase final de estudo para viabilizar a construção de um sistema para captação de água na Usina do Capingui. Essa nova possibilidade de bombeamento do recurso hídrico para a cidade integra o plano de investimentos futuros da companhia de abastecimento, que até 2035 pretende injetar R$ 300 milhões de reais em Passo Fundo, apresentado aos executivos regionais da empresa na manhã de quinta-feira (20).


Com um acesso universalizado de água, conforme mencionou o diretor de Expansão da Companhia, Julio Eloi Hofer, a proposta faz parte da nova metodologia que a Corsan adotou para antecipar-se às demandas de abastecimento comunitário em vista do crescimento populacional da cidade. “Sempre que se fala em infraestrutura o investimento é alto”, disse. A nova fonte deve somar-se as duas já existentes, na entrada da cidade e na Fazenda da Brigada Militar, viabilizada pelo aporte de R$ 100 milhões previstos para a obra. A preocupação com o recurso natural, no entanto, não é a única coisa em foco na companhia.


Além da possibilidade de construção de adutoras para captação e bombeamento de água, o tratamento de esgoto no município deve ser ampliado em três bairros. As obras, orçadas em R$ 50 milhões de reais, já estão em fase de execução no bairro Fátima, Garden e Zachia com cerca de 73% da colocação de sistemas drenagem finalizados com previsão de conclusão para o final deste ano. “É importante também no sentido ambiental. A Corsan faz o tratamento de 40 a 45% do esgoto da cidade e vai elevar para 55% com as obras de ampliação na estação”, ponderou Hofer.


A gestão por resultado, implementada na companhia, vai destinar as maiores cifras para Passo Fundo, Carazinho e Vacaria, segundo enfatizou o diretor.

 

Gostou? Compartilhe