Passo Fundo está parando

Pessoas em quarentena, portas fechadas e compras online

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

Gradualmente, a cidade está parando. O coronavírus determinou restrições que vão das novas proibições às mudanças comportamentais. Já na segunda-feira havia menos gente nas ruas e calçadas de Passo Fundo. Muitas pessoas, especialmente aquelas que se enquadram no grupo de risco para a doença, preferiram ficar em casa. No início da semana, os restaurantes haviam tomado medidas para restringir o contato entre as pessoas e, assim, diminuir o risco de contaminação. Na quarta-feira as lojas já estavam praticamente vazias. Alguns estabelecimentos tomaram a iniciativa de fechar as portas. Aos poucos havia um senso coletivo da necessidade de diminuir a circulação ou parar. Numa sequência crescente, começava a fase de quarentena com aqueles que optaram pelo resguardo do lar. Era o início de um período que ainda desconhecemos, mas sabemos que aponta para uma cidade vazia, enquanto todos aguardam por um bom desfecho para essa pandemia.

 

Situação de emergência

Na tarde de quinta-feira, o prefeito, Luciano Azevedo, decretou situação de emergência em Passo Fundo. A partir de então, ficou obrigatório o fechamento de estabelecimentos comerciais, enquanto permanecem em funcionamento aqueles serviços classificados como essenciais. A proibição da abertura e funcionamento é muito ampla e, além do comércio em geral, abrange shopping centers, centros de comércio, galerias comerciais, igrejas, templos e similares, teatros, museus, centros culturais, bibliotecas, cinemas, casas noturnas, academias, centros de treinamento, clubes sociais (inclusive tradicionalistas), entidades sindicais e de serviços. Também estão enquadradas as brinquedotecas e similares, espaços de jogos, feiras ou exposições públicas, congressos e seminários.

 

Os serviços essenciais

O decreto municipal autoriza abertura e funcionamento de atividades consideradas essenciais. Estão na lista as do segmento de saúde: farmácias, hospitais, unidades de saúde e clínicas médias. Também estão os postos de combustíveis e as lojas de conveniências, contanto que permaneçam ventiladas. Outros serviços permitidos são os das distribuidoras de água e gás, distribuidoras de energia elétrica e saneamento básico. As clínicas veterinárias podem abrir em regime de emergência e para venda de rações e medicamentos. Integram o grupo os serviços de telecomunicações, órgãos de imprensa e atividades de segurança privada. Completam a lista as lavanderias e serviços de higienização, serviços de tele entrega, laboratoriais.

 

Serviços públicos

As atividades públicas que permanecem em funcionamento são os serviços de coleta de lixo e limpeza, serviços de táxis e aplicativos. O transporte público circula seguindo determinações e restrições, conforme anunciado na sexta-feira. Já a estação rodoviária e o aeroporto devem respeitar normas de circulação e de saúde pública. Os serviços essenciais da prefeitura serão regrados internamente pelas secretarias da Saúde, Assistência Social, Transportes de Serviços Gerais, Segurança Pública, Obras, Interior e Hospital Municipal Dr. César Santos.

Tele entrega

Bares e restaurantes no interior de hotéis ficam restritos ao atendimento dos hóspedes. Restaurantes, bares, lanchonetes e lojas de conveniência podem vender alimentos e bebidas para entrega em domicílio em embalagens lacradas. Com muitas pessoas se resguardando em casa, é constatado um aumento de grandes proporções nos serviços de tele entrega. É o caso do Boka, onde os serviços tiveram um grande incremento para disponibilizar um considerável aumento dos pedidos. Outro segmento procurado é a tele entrega de supermercados, evitando que as pessoas saiam de casa. No Super Moy as vendas online aumentaram muito a partir de quinta-feira. O movimento ficou ainda maior na sexta-feira. “Teve um aumento de 300%”, informou Diego Góis, enquanto preparava embalagens para a entrega.

 

 

 

Gostou? Compartilhe