Passo Fundo registra taxa de ocupação de 80,7% nos leitos de UTI

Índice levantado pela Secretaria Estadual da Saúde abrange internações por coronavírus e outras enfermidades

Por
· 3 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O número de pacientes com Covid-19 hospitalizados em Passo Fundo, na tarde dessa terça-feira (26), chegou a 63. O boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde aponta que, destes, 30 estavam internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Os dados, somados às internações por outras enfermidades, constituem uma taxa de ocupação de 80,7% dos leitos de UTI disponíveis na cidade, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (SES). Na mesma data, o município superou a marca de 500 casos positivos da Covid-19. Ainda de acordo com o boletim, até essa terça-feira, foram confirmados 513 casos de moradores locais infectados pelo novo coronavírus, dos quais 257 se recuperaram e 30 evoluíram para óbito.

Na região de Passo Fundo – que compreende 62 municípios e 24 hospitais, conforme o modelo de distanciamento social controlado do Governo do Estado –, existem 127 leitos de UTI Adulto habilitados tanto para o tratamento de coronavírus, quanto de outras enfermidades. Até às 16h de ontem, segundo levantamento da SES, 78,7% deles já estavam ocupados, sendo 19 por pacientes confirmados com Covid-19, 12 por pacientes considerados casos suspeitos e 69 para atendimento de outras doenças. A taxa de ocupação só não é maior porque, na última semana, o Ministério da Saúde habilitou 270 novos leitos de UTI para tratamento do coronavírus no Rio Grande do Sul. Em Passo Fundo, foram 13 novos no Hospital de Clínicas (HC) e 10 no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP).

Com as novas habilitações, o HC dispõe agora de 23 leitos de terapia intensiva destinados exclusivamente a pacientes com Covid-19. Destes, na tarde de terça-feira, a instituição informou que nove estavam ocupados. Já nos 20 leitos de UTI para outras enfermidades, a ocupação era de 100%. Há, ainda, 43 leitos clínicos reservados para casos menos complexos causados pelo SARS-Cov-2, dos quais 11 encontravam-se ocupados no momento da apuração.

No outro hospital de referência regional instalado em Passo Fundo, o HSVP, existem 30 leitos de UTI habilitados para receber pacientes diagnosticados com o novo coronavírus, sendo que somente sete deles ainda estão vagos. Nos leitos de UTI para outras enfermidades, a taxa de ocupação é de 90%. Quanto aos leitos clínicos, a instituição reservou 66 deles para receber pacientes com diagnóstico ou suspeita de Covid-19, estando 22 deles ocupados na terça-feira – no começo deste mês, o HSVP contava com apenas 20 leitos clínicos para coronavírus. A assessoria de comunicação da instituição explicou que o número de leitos fora da unidade de terapia intensiva reservados para pacientes com o vírus varia conforme a demanda e que, caso necessário, ainda pode ser ampliado.

Como funciona o monitoramento de pacientes com coronavírus

Não é somente dentro dos hospitais que pessoas confirmadas ou suspeitas de infecção por Covid-19 recebem acompanhamento. Passo Fundo segue o protocolo do Ministério da Saúde para monitoramento de pacientes e, até o momento, já monitorou mais de 3.228 pessoas, além de 1.430 que estão em monitoramento, totalizando 4.658 pessoas. A orientação para o isolamento domiciliar é determinada para pacientes confirmados para Covid-19 que não apresentam sintomas graves (aqueles em estado crítico são atendidos nos hospitais), pessoas com síndrome gripal e pessoas que tiveram contato com alguém suspeito ou confirmado para Covid-19. 

Todas as pessoas atendidas nas unidades básicas, seja por busca própria ou encaminhamento pelo teleatendimento, que se enquadram nos critérios, assinam um termo de consentimento livre esclarecido, em que se comprometem a ficar isolados pelo período de 14 dias, inclusive informam seus contatos domiciliares que também devem ficar isolados. A Vigilância em Saúde é quem coordena as ações de monitoramento e todos os casos confirmados de Covid-19 são monitorados pela Vigilância Epidemiológica do Município.  

A Vigilância em Saúde do Trabalhador monitora as empresas e a Vigilância Epidemiológica, juntamente com a Vigilância Sanitária, monitora as Instituições de Longa Permanência de Idosos (ILPIs), que devem notificar todos os afastamentos por sintomas gripais. A análise das informações permite que precocemente sejam realizadas intervenções específicas. As empresas também precisam informar a realização de monitoramento dos trabalhadores afastados. Os trabalhadores da prefeitura são monitorados pela Biometria, ligada a Secretaria de Administração. Já os pacientes atendidos e que se enquadram na orientação do isolamento por sintomas gripais são monitorados pelas equipes das unidades. As equipes do Teleatendimento da UPF e do Monitoramento da Imed reforçam a possibilidade de monitoramento das pessoas atendidas na rede municipal de saúde.

Como acontece

Para pessoas com mais de 60 anos e/ou que apresentam condições clínicas de risco, o monitoramento é realizado pelo telefone a cada 24 horas, para as demais pessoas é realizado a cada 48 horas. Todos são monitorados por 14 dias. São feitos questionamentos sobre sintomas como febre, tosse, dificuldade respiratória, entre outros. Se houve melhora ou não evolução dos sintomas a pessoa continua sendo monitorada até permanecer em casa durante os 14 dias de isolamento. Se houver evolução dos sintomas a pessoa é orientada a buscar atendimento na unidade mais próxima ou no Cais Petrópolis. Se a pessoa apresentar sinais de gravidade na evolução dos sintomas ela é orientada a buscar atendimento na emergência dos hospitais de referência, Hospital São Vicente de Paulo ou Hospital das Clínicas de Passo Fundo.

Gostou? Compartilhe