Professores do Instituto Metodista aderem à paralisação para cobrar salários atrasados

Categoria decidiu pela greve em assembleia virtual na segunda-feira (6)

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os professores do Instituto Educacional Metodista de Passo Fundo (IE) paralisaram as atividades de docência, na segunda-feira (6), para cobrar os vencimentos atrasados. Em uma assembleia virtual realizada junto ao Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), os profissionais optaram pela greve nesta semana. 

Dos 23 educadores que lecionam para 300 estudantes da rede privada da educação infantil e ensino fundamental no colégio, apenas três não aderiram ao movimento. De acordo com as reinvindicações, tanto dos professores quanto dos demais funcionários que atuam na escola, as pendências nos salários integrais se arrastam desde dezembro do ano passado. “Teve professor que pediu demissão porque não aguentou a pressão”, desabafou uma docente do IE, que pediu para não ser identificada pela reportagem. Antes da reunião que culminou na suspensão temporárias das aulas virtuais, o Instituto Educacional já havia realizado um acordo no Ministério Público do Trabalho (MPT) para quitar as pendências salariais que, segundo a professora ouvida pelo jornal O Nacional, seria feito de forma parcelada. “Eles não têm honrado o acordo. É uma escola boa para trabalhar, mas é complicado essa questão financeira”, completou ela. “Para honrar as contas do mês, temos de nos desdobrar em outros trabalhos. Além das aulas pelo módulo virtual, alguns vendem coisas, fazem doces e salgados para fora. Procuram outro meio para se manter”, afirmou a docente. 

Com as atividades parcialmente paradas desde o dia 1º de julho, a categoria cobra, ainda, um terço do valor pago para as férias, 13º salário, parte dos salários de abril, maio e junho. Este último teve 50% pago nesta sexta-feira (3). Mesmo com o pagamento, os docentes decidiram pela manutenção da paralisação porque ainda restam pendentes boa parte dos salários, como explicou a professora. O Sinpro/RS, sindicato que representa os educadores da rede privada de ensino, afirmou que tem acompanhado a situação em toda Rede Metodista no estado, ingressando com ações na Justiça cobrando as pendências.

O diretor pedagógico do Instituto Educacional Metodista de Passo Fundo, Rubem Nei Rodrigues da Silva, confirmou a notificação da greve magisterial, já comunicada aos responsáveis pelos estudantes através da agenda virtual da instituição de ensino. “As aulas, claro, serão recuperadas. Os professores já estão cientes. Ainda não temos um cronograma de recuperação”, ressaltou. 

Uma nova reunião deve ocorrer na próxima sexta-feira (10), também de forma virtual, entre os professores e representantes sindicais. 

Gostou? Compartilhe