Aluguel: Pandemia muda preferência dos locatários em Passo Fundo

Com home office e aulas remotas, famílias estão buscando imóveis maiores

Por
· 3 min de leitura
Gerson Lopes/ ON Gerson Lopes/ ON
Gerson Lopes/ ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Nos últimos meses os brasileiros precisaram se acostumar a uma rotina muito diferente da habitual. Sair de casa ao amanhecer, deixar os filhos na escola, ir para o trabalho, almoçar fora, e retornar somente no final do dia é uma prática que não faz mais parte de milhões de famílias. Agora a rotina é home office, estudo remoto ou híbrido, jantares em casa, e lazer na cozinha ou na sala na companhia dos familiares mais próximos.

Essa nova rotina está causando uma mudança no comportamento dos consumidores, refletindo também em novas necessidades do mercado. É o caso do setor imobiliário, que está se adaptando às novas exigências dos locatários de imóveis.

O studio, a kitnet, ou àquele apartamento de um dormitório, não satisfaz mais as necessidades de grande parte de uma população, que passou a permanecer em casa por muito mais tempo.

A realidade também pode ser observada no mercado de Passo Fundo, como explica o empresário do setor imobiliário, Ricardo Bortolini. Tradicionalmente, nesta época do ano, os imóveis mais procurados para locação seriam os apartamentos compactos, com um ou dois dormitórios, já que é um período em que muitos estudantes universitários de diversas cidades estariam planejando sua mudança para Passo Fundo. Entretanto, a realidade é diferentes em 2021. “Hoje, a maior procura são casas e apartamentos maiores, de três dormitórios, e isso é um efeito da pandemia, pois as pessoas começaram a ficar mais tempo em casa e optaram em alugar imóveis maiores”, explica ele. O empresário ainda destaca que este é um perfil de imóveis que não estão disponíveis em grande quantidade no mercado, visto que os investidores, não têm como prática a aquisição de imóveis maiores e disponibilizá-los para locação, e isso acabou acarretando em uma demanda maior que a oferta.

Esta mudança no estilo de vida das pessoas trouxe um reflexo muito significativo para o mercado de locação em Passo Fundo. “O locatário busca uma melhor qualidade de vida, além disso ele precisa de um espaço para trabalhar, por isso os melhores imóveis desta categoria alugam muito rápido”. destacou.

 Mercado aquecido

Bortolini explica que comparando com anos anteriores, o mercado para locação de imóveis está bastante aquecido, apresentando inclusive, uma aparente ascensão. “Há muitos setores da economia que estão ativos e as empresas demandam da mão de obra, e isso acaba trazendo pessoas de outras cidades para Passo Fundo. Como a cidade é um polo dos setores públicos, e privados e rede agrícola, as pessoas estão vindo morar em Passo Fundo”, disse o empresário. Segundo ele o grande motivador para manter o mercado de aluguel aquecido é que muitas empresas estão contratando, além disso, acontecem alguns concursos públicos, e as pessoas que buscam ocupar essas vagas, representando uma parcela muito importante do mercado de locações.

Em outros anos, o perfil de locatários que aquecia o mercado nesta época eram os estudantes universitários, que fechavam contratos principalmente entre os meses de dezembro e março. Contudo, neste ano, a expectativa é que essa concentração se expanda para outros meses. “O comportamento deste consumidor está baseado na volta às aulas. Quando é divulgada a informação de que as aulas serão híbridas, elas começam a procurar imóveis. Na medida em que as coisas vão voltando a normalidade e as aulas presenciais, o mercado vai reagindo. Essa vinda dos estudantes vai ser mais prolongada, pois eles devem aguardar o posicionamento das universidades e faculdades para efetivamente começar a realizar as locações”, explicou.

Em comparação ao ano passado houve uma queda no mercado dos estudantes. Mesmo não tendo uma base de dados para mensurar, acredita-se que a redução nos primeiros meses do ano seja entre 20% e 30%, que deve ter uma recuperação ao longo do ano, quando as aulas forem retomadas de forma presencial.

O empresário mostra otimismo em relação ao momento em que o mercado imobiliário atravessa. Ele explica que a pandemia não chegou a afetar de forma significativa este setor da economia.

“O ciclo imobiliário é logo, e nós estávamos vivendo um momento de retomada há aproximadamente dois anos. Nossa expectativa é que se mantenham os juros baixos e o acesso ao crédito pelos próximos anos. Neste ambiente mais estável da economia, nossa perspectiva é que o mercado se mantenha bom”, explicou.

 Imóveis comerciais

Outro mercado que está em expansão em Passo Fundo é de imóveis comerciais. Bortolini explica que há um grande número de empresas buscando imóveis para ampliar suas operações. São empresas das áreas da indústria e logística.

Gostou? Compartilhe