UPF é campeã de 1º hackaton sementeiro do Brasil

Equipe UPF Seed Tech conquistou o primeiro lugar entre três categorias do Seedthon 2021 com uma proposta de rastreabilidade e inteligência de negócios para o setor de sementes

Por
· 3 min de leitura
Equipe na premiação (Fotos: Reprodução)Equipe na premiação (Fotos: Reprodução)
Equipe na premiação (Fotos: Reprodução)
Você prefere ouvir essa matéria?


A Universidade de Passo Fundo (UPF) obteve uma conquista no Seedthon 2021, competição caracterizada como o primeiro hackaton sementeiro do Brasil, que propôs aos participantes apresentarem soluções inovadoras para o setor. Representada pela equipe UPF Seed Tech, a qual é formada por professores, estudantes e egressos das áreas de Agronomia e Computação, a Instituição sagrou-se a campeã entre três categorias.

No evento, realizado de forma on-line e com o tema “Inovações no setor sementeiro”, o grupo apresentou uma solução pensada e projetada para ajudar na rastreabilidade e transparência do processo da cadeia produtiva de sementes. O projeto, chamado “Seedbi: plataforma de análise mercadológica de sementes assistida por inteligência artificial", é uma proposta de rastreabilidade e inteligência de negócios para o setor sementeiro, que aplica recursos de visão computacional capazes de aferir a qualidade do produto ao longo da cadeia produtiva.

Integram a equipe UPF Seed Tech os professores Dra. Nadia Canalli Lângaro (docente do Programa de Pós-Graduação em Agronomia – PPGAgro e da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária - FAMV) e Dr. Rafael Rieder (docente do Programa de Pós-Graduação em Computação Aplicada - PPGCA e do Instituto de Ciências Exatas e Geociências - Iceg), os estudantes Michele Renata Revers Meneguzzo (doutoranda do PPGAgro) e Eduardo Garbini Pessolano (Engenharia de Computação) e os egressos Diego Inácio Patrício (PPGCA) e Diógenes Silveira (PPGAgro). Como prêmio, eles receberam R$ 16 mil, 30% de desconto em qualquer MBA da Universidade de São Paulo (USP) e mentorias com a WBGI do Instituto Pecege.


Experiência enriquecedora gerada por meio da integração das áreas

Para Nadia, a experiência no evento permitiu a união, a troca de ideias, a soma de conhecimentos e habilidades de diferentes perfis profissionais e a transversalidade de opiniões, pois, segundo ela, os cases apresentados, apesar de complexos, podem ser apropriados e solucionados a partir do conhecimento gerado por meio de diferentes olhares. “A união de diferentes áreas, como a Agronomia e a Ciência da Computação, vem a atender a diversos segmentos e necessidades regionais do setor agropecuário. A área de abrangência da UPF na região, destacadamente produtora de grãos e desenvolvedora de tecnologias da agricultura moderna, chamada de 4.0, busca cada vez mais soluções que utilizem tecnologias de ponta, alinhadas aos mais modernos centros de pesquisa do Brasil e do mundo”, comenta a docente.

De acordo com Rieder, a participação no Seedthon 2021 possibilitou mostrar o know-how da UPF e como a computação pode ajudar o setor da agricultura, integrando diferentes meios e elos com o intuito de ter um produto final com qualidade. “Foi um momento muito gratificante para nós, em que foi possível abordar a possibilidade de continuarmos investindo em pesquisa e de que a integração das áreas é importante para fomentar o mercado de trabalho, com novas startups e novos negócios. Quando duas áreas conseguem se conectar sobre um determinado assunto, a tendência de originar ideias legais e produtores inovadores é muito grande”, destaca.

Doutoranda do PPGAgro, Michele relata que participar de um evento com o nível do Seedthon agregou muito conhecimento em sua vida acadêmica e profissional. “Oportunidades como esta despertam em você sentimentos de mudança, e quando fomos premiados, esse sentimento se tornou mais intenso, pois você percebe que está no caminho certo, que tudo que você batalhou e construiu até aqui tem um significado”, afirma a estudante.

O acadêmico de Engenharia de Computação, Eduardo, ressalta que, durante o início da graduação, é de fundamental importância ouvir, observar e interagir com pessoas de vasta experiência. “O Seedthon possibilitou isso. Além das diversas capacitações com palestrantes qualificados, deu-nos a oportunidade de aliar conhecimentos da computação ao setor sementeiro por meio de um grande desafio, que ajudou a desenvolver habilidades como: comunicação, organização, criatividade e adaptação, essenciais para o crescimento de estudantes e profissionais”, pontua.


A competição

O Seedthon é promovido pela Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes (Abrates) em parceria com a Corteva Agriscience, sendo um pré-evento do XXI Congresso Brasileiro de Sementes (XXI CBSementes), que será realizado pela Abrates entre os dias 6 e 9 de dezembro de 2021, em Curitiba (PR). A competição integra o programa mundial de eventos Plant Science Symposia Series, iniciativa da Corteva que, desde 2008, estimula as novas gerações de cientistas do agro, conectando empresas, estudantes, pesquisadores e profissionais do setor em eventos que trazem avanços para a agricultura.

Com mais de 60 equipes inscritas e reunindo empresários, pesquisadores, docentes e estudantes, além de representantes da indústria vinculados ao setor agrícola, os participantes passaram por treinamentos durante 45 dias nas áreas de projeto, inovação, pitches, como vender uma ideia, e também em mentorias técnicas de empresas e universidades, onde os problemas reais do setor foram discutidos com os grupos. As apresentações do pitch final de cada equipe ocorreram nos dias 25 e 26 de maio.


Gostou? Compartilhe