Meios de Trasporte e Doação de ?"rgãos são temas da redação

A possibilidade de realizar a prova é para todos, os temas são acessíveis e as pessoas com necessidades especiais recebem auxilio.

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A redação é um dos pontos da prova que mais angustia o vestibulando. Estar preparado para argumentar sobre um tema atual, presente na mídia durante o ano, é fundamental.

Como em todos os vestibulares, nesta edição a Universidade de Passo Fundo ofereceu duas opções de temas para os candidatos. Os assuntos foram: doação de órgãos e meios de transporte. Quem fala sobre isso é a professora  Drª. Cláudia Toldo, coordenadora da Comissão de Avaliação da Redação.

O primeiro candidatos aos cursos do Grupo 1 a sair foi Axiel Betto, de 18 anos, que estava disputando a vaga para Educação Física. Segundo ele, os temas eram fáceis: ?EURoeUm era sobre meios de transporte; abordava questões como transporte coletivo, dificuldades e mudanças, o outro era sobre doação de órgãos?EUR?. Axiel optou por escrever sobre meios de transporte e acabou a prova após o primeiro sinal.

O segundo vestibulando a sair de sua sala foi Guilherme Miguel de Oliveira, também de 18 anos, que optou por disputar uma vaga em Administração. Guilherme disse que os temas são legais e, diferentemente de Axiel, optou por escrever sobre doação de órgãos: ?EURoeTinha que argumentar sobre a conscientização dos familiares a respeito das doações?EUR?, explica.

Evandro da Silva, de 26 anos, que se inscreveu para Física, foi o terceiro a sair. Ele escolheu o mesmo tema de Guilherme e achou os assuntos da redação ?EURoetranquilos de escrever?EUR?.

Os três saíram confiantes. ?EURoeCom um certo receio?EUR? ?EUR" como disse Guilherme ?EUR" mas otimistas.

SAES auxilia vestibulandos com necessidades especiais

Pessoas com necessidades especiais também podem prestar vestibular na UPF. O Saes (Setor de Apoio ao Estudante) auxilia na realização das provas dos candidatos que precisam de atenção especial.

A responsável pelo setor, Ana Paula Freires explica que a instituição se prepara antecipadamente para receber essas pessoas: cada aluno recebe atendimento individual por um profissional especializado. Exemplo disso é o caso dos vestibulandos de baixa visão, para os quais há um fiscal à sua disposição que lê a prova em voz alta para ele. Já no caso de pessoas com deficiências nos membros superiores outro fiscal auxilia na transcrição da prova. Para quem é surdo, ou tem deficiência auditiva, é oferecido um intérprete de libras.

Mas a melhor notícia é que o Saes não atua somente no vestibular. Durante o ano letivo disponibiliza equipe especializada para auxiliar este público, além de prestar acompanhamento psicológico e psicopedagógico para  todos os demais alunos da universidade.

Gostou? Compartilhe