Secretária de saúde diz que licitação deve normalizar estoques de medicamentos

Falta de diversos remédios de uso contínuo foi notificada pelo Conselho Municipal de Saúde

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Secretaria Municipal de Saúde de Passo Fundo iniciou, na última semana, a abertura de um novo processo licitatório para a compra de medicamentos de uso contínuo distribuídos em farmácias do município.


A ausência de cerca de oito marcas de medicação para patologias diversas, como toxoplasmose e doenças cardíacas, foi informada à pasta há sete dias. “Até o momento, já investimos cerca R$ 2,5 milhões entre medicamentos e insumos para pacientes insulinodependentes”, afirmou a secretária municipal de Saúde, Carla Beatrice Gonçalves. O coordenador do Conselho Municipal de Saúde, Neri Gomes, alega que a falta de medicamentos, no entanto, é relatada desde o ano passado. “As pessoas começaram a procurar os conselheiros para relatar a falta”, disse. “Coloca em rico a saúde de pacientes que usam estes remédios”, prosseguiu.


Entre os meses de janeiro a setembro, como mencionou Carla, 250 mil atendimentos foram realizados nas unidades de Farmácia Básica da cidade. “Como aceitamos receitas da rede pública e privada, é difícil ter uma previsão exata dos usuários”, explicou ela quando questionada sobre o número de pacientes afetados pela falta. “Tão logo finalize a licitação que está em andamento, os estoques serão normalizados”, assegurou. O prazo, contudo, não foi estimado porque, segundo ela, a Secretaria aguarda o parecer da análise técnica das marcas propostas pelos fornecedores. A quantidade licitada também não foi informada. “A licitação é por número de comprimidos de cada medicamento”, justificou Carla.

Gostou? Compartilhe