Construindo novas histórias

Casa de Cultura Vaca Profana promove oficinas de roteiro e mini zine, neste domingo (17)

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Percepção do mundo; personagem e contexto; protagonista, antagonista e coadjuvante; estrutura narrativa; começo, meio e fim. Os pontos fundamentais a serem definidos para que uma boa história possa ser costurada, de acordo com o roteirista Sandro Gomes, conhecido como S. Lobo, que vem a Passo Fundo neste domingo para ministrar duas oficinas. A primeira delas trata da estrutura narrativa de roteiros. Em seguida, Lobo se junta à quadrinista Rita Juliane para falar sobre mini zine.

 

Na oficina de roteiro, que começa às 14h, Lobo trata de assuntos como a importância de o escritor conhecer a fundo aquilo sobre o que está escrevendo, as camadas dos personagens e o contexto no qual eles estão inseridos, o triângulo dramático entre as figuras de protagonista, antagonista e coadjuvante, a poética de Aristóteles e a definição dos três atos de uma narrativa. “Passaremos por muita teoria permeada por exercícios”, explica Lobo. “O foco é compreender como alinhavar as ideias para que a costura narrativa seja firme. A estrutura narrativa é a base de qualquer escrita”.

 

Essa não é a primeira vez que ele carimba presença em Passo Fundo para falar sobre a criação de roteiros. Em abril do ano passado, Lobo esteve na Vaca ministrando uma master class acerca do assunto. No entanto, ele garante que mesmo semelhantes as aulas não são idênticas. “A Master Class era completa, tratava de estrutura narrativa, criação de personagem e construção de diálogos. Agora, a diferença é que o foco é especificamente em estrutura narrativa e vamos nos aprofundar nos tópicos mencionados”, esclarece. A proposta abrange roteiros para diferentes finalidades – desde quadrinhos, obras audiovisuais e literatura, até games. Questionado se a oficina exige algum conhecimento prévio dos participantes, o roteirista brinca: “basta ser alfabetizado, vamos partir daí”.

 

A oficina dura em torno de duas horas. As inscrições devem ser feitas através da página da Casa de Cultura Vaca Profana, ou com os membros da casa, e custa R$ 30.

 

Mini zine

Não há grande ineditismo, também, na segunda oficina do dia, que começa às 16h30min. No ano passado, a aula já havia sido ministrada por Lobo e Rita Juliane no espaço da Vaca Profana. O sucesso foi tanto que, neste domingo, a dose se repete. No entanto, o roteirista deixa claro que ela nunca ocorre exatamente do mesmo jeito. “É o mesmo conteúdo da oficina de mini zine do ano passado, mas como é uma oficina dinâmica ela nunca acontece do mesmo modo. Ela sempre muda de acordo com o material trazido pelos alunos – que pode ser lápis, caneta, tinta, recortes – e com o objetivo dos alunos. É um processo rápido e eficiente de desbloqueio criativo para dar concretude às ideias”, define.

 

Assim, o objetivo principal na oficina de mini zine é estimular os participantes a tirarem as ideias da cabeça e transpô-las para o papel. Se você acha que o conteúdo que habita aí, na sua mente, não é o suficiente para encher um livro ou uma revista, que tal se arriscar na criação de um mini zine junto com dois especialistas neste assunto? O conteúdo pode ser texto, poesia, ilustração ou quadrinhos. O material tem 16 páginas e o formato de 7x10 cm. Serão duas horas de criação e diálogo. Para participar, é necessário levar o próprio material de trabalho, como lápis, nanquim, revistas para colagem, tintas, tesouras e o que mais desejar. As inscrições devem ser feitas através da página da Casa de Cultura Vaca Profana e o quanto antes, já que são apenas 20 vagas disponíveis. O valor para inscrição é de R$ 30.

 

Conheça os ministrantes

Lobo é editor do Clube do Livro para Leitores Extraordinários e diretor do Instituto Mojo de Comunicação Intercultural. Editou o de forma independente o álbum Castanha do Pará, de Gidalti Jr., ganhador na estreia da categoria quadrinhos do prêmio Jabuti 2017. Foi convidado do Salão do Livro de Paris, em 2015, ano em que o Brasil foi o país homenageado. É um dos responsáveis pela websérie no Youtube “Quadrinhos para Barbados”. Roteirista de histórias em quadrinhos, publicou o álbum “Copacabana” em 2009, com desenho de Odyr Bernardi, pela Editora Desiderata e a segunda edição pela Aeroplano Editora, em 2015. Ministra diversos cursos e oficinas de roteiro, quadrinhos e autopublicação. Foi editor das editoras Desiderata e Barba Negra, onde publicou mais de 100 quadrinistas e humoristas brasileiros. Também foi um dos responsáveis das duas edições do Rio Comicon, em 2010 e 2011.

 

Rita Juliane é autora dos quadrinhos A Fantástica Aventura de Ser Mulher, criada em 2016, onde de modo simples, usando o desenho como forma de comunicação, revela as variadas formas de violência sofridas pelas mulheres. Desde então lançou nove zines, todos produzidos de modo artesanal. Sua página do Facebook passou dos cem mil seguidores. Desde 2018, visitou várias cidades do país para dialogar com as mulheres sobre A Fantástica Aventura de Ser Mulher. Colabora em diversos grupos de quadrinhos com pautas políticas, como o Políticas HQ. Também ministra uma oficina sobre o uso de quadrinhos em sala de aula como recurso e fonte para a disciplina de história, curso em que é graduada.

Gostou? Compartilhe