O samba de Otávio Segala

Considerado um dos maiores compositores gaúchos na atualidade, Segala é o convidado principal da edição do Clube do Samba que acontece neste sábado (8), no Teatro do Sesc

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

De volta ao Brasil há poucas semanas, depois de um ano morando na China, o cantor, compositor e violonista Otávio Segala chega a Passo Fundo neste sábado (8) para participar do Clube do Samba. Criado em 2017, o projeto promove apresentações de sambistas da região no intuito de fortalecera cena autoral deste gênero, por vezes desvalorizada. Nesta edição, que tem como tema a música de Dorival Caymmi, "O samba da minha terra", unem-se à Segala os músicos Ricardo Pacheco, Marcelo Pimentel, Maikon Varella, Guedi do Bandolim, João Ritzel e o grupo Samba do Zé. A apresentação acontece no Teatro do Sesc, às 20h. Os ingressos custam R$ 20.

 

Embora o Clube do Samba tenha se mantido ativo desde que começou suas atividades e, periodicamente, promova apresentações no município, o show deste fim de semana tem um quê de especial. "A gente costuma fazer o Clube do Samba com somente uma atração, mas desta vez serão três times de sambistas, três atrações diferentes. O fato de ser um teatro também é novidade porque, até então, estávamos fazendo em espaços altemativos, como em escolas de samba, no Rito Espaço Coletivo... Esse formato do teatro é uma proposta que já vínhamos pensando em desenvolver, que é termos no clube um evento coletivo por semestre, trazendo músicos convidados. Estamos muito animados por ter o Segala aqui para o show. Ele é o nosso mestre do samba na atualidade e um dos maiores compositores do Rio Grande do Sul e do Brasil", explica o músico e um dos organizadores do projeto, Ricardo Pacheco.

 

As palavras de Pacheco sobre Segala se assemelham a de muitos outros artistas e apreciadores da música popular brasileira e, mais especificamente, do samba. Por onde passa, não raramente, Segala cativa um público que não poupa elogios ao falar da habilidade com que ele toca o violão e compõe suas canções. Natural de Santa Maria, o violonista estabeleceu-se em Porto Alegre há anos, mas já rodou por diversos cantos do mundo com sua música e chegou a residir em países como o Japão e, recentemente, a China. Na bagagem, carrega dois CDS, A Bossa do Samba e Mokambo, ambos indicados ao prêmio Açorianos. Os trabalhos, lançados em 2003 e 2008, respectivamente, serão apresentados no show deste sábado, que se divide em quatro atos. "É um bloco para cada time de sambistas, que vão apresentar principalmente trabalhos autorais. Depois, para encerrar, todos se juntam para tocar O Samba da Minha Terra", salienta Pacheco.


Sobre o Clube do Samba

O Clube do Samba nasceu em Passo Fundo no ano de 2017, com o objetivo de trazer para os palcos o programa de mesmo nome transmitido pela Rádio UPF e apresentado pelo jornalista Gerson Pont. Neste projeto, a proposta é que o jornalista participe dos shows de samba, em cima do palco, apresentando as atrações e trazendo algumas curiosidades sobre o samba. "É como se fosse um programa, mas dentro do teatro", Pacheco comenta.

 

 

Ainda na opinião do músico passo-fundense, o Clube do Samba é um dos fatores que tem fornecido fôlego para que o samba resista no município. "Eu acho que existem dois momentos do samba aqui em Passo Fundo. Existe antes e a partir do programa Clube do Samba. Antes dele, nós não tínhamos um programa que divulgasse o nosso samba, o trabalho que a gente produz. Faltava um programa com representatividade, que nos desse esse fomento. Hoje, no momento que existe esse monte de informação, a gente ter uma ferramenta, um programa desses, eu acho que coloca em outro patamar. Passo Fundo sempre teve uma história forte de sambistas, mas faltava algo que nos ajudasse a alcançar um público maior. Felizmente, com o Clube, nosso trabalho é incentivado. Agora, temos espaço para tocara produção do samba gaúcho", defende.


SERVIÇO

O que: Clube do Samba

Quando: Sábado (8), às 20h

Onde: Teatro do Sesc

Quanto: R$ 25, na hora 

Gostou? Compartilhe