OPINIÃO

O Nego Véio e o efeito “chapa de fogão”

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Em tempos de negacionismos, o que não faltam são exemplos de pessoas supostamente cultas que professam crenças sem a mínima razoabilidade. Pois, com o devido pedido de licença poética ao Neto Fagundes, reza a lenda que um jovem climatologista, afoito com a descoberta que o clima da Terra estaria mudando e a causa seria a atividade humana, foi se aconselhar com o Nego Véio. Recebido com mate e cara alegre, em meio a baforadas de um crioulo enrolado no capricho, após o ronco do mate, na mansidão silenciosa de um final de tarde, ouviu essas sábias palavras: - Olha querido, não é nada disso! Esse tal de aquecimento global que tanto falam por ai é o efeito “chapa de fogão”.

O jovem climatologista arregalou os olhos e aguçou os sentidos. Estava recebendo, gratuitamente, uma metáfora bem ao gosto da comunidade científica que, além de, possivelmente, garantir uma capa da Nature ou da Science, iria lhe assegurar o reconhecimento máximo entre os pares no ambiente acadêmico. Longos silêncios. Intermináveis baforadas de palheiro. Mais um par de mates e o Nego Véio, como recomenda a boa prosa, em meio a pausas milimetricamente definidas, prosseguiu: - A causa desse tão falado aquecimento global não é essa tal elevação dos ditos gases de efeito estufa na atmosfera. O furo é mais embaixo, afirmou com ênfase, enquanto dirigia um olhar enigmático para o chão do galpão e aproximava, lentamente, um tição em brasa da velha cambona preta, impregnada de picumã, que aquecia a água do chimarrão.

O climatologista estancou. Ficou paralisado diante da iminência da grande revelação, que tinha certeza, se aproximava. O gauchão, com o vagar que recomendava a ocasião, levantou a cabeça, fixou o olhar no jovem a sua frente e falou: - Escuta bem, meu guri! Essa Terra está de cheia de pecadores. O que não falta nesse mundo velho é gente atentando contra as Leis de Deus. E todos os dias partem para o outro lado alguns milhares de almas penadas. Todo Santo Dia! Dessa tropa, a maioria, o Bom Deus não quer ver lá em cima, que é onde fica o Céu, nem pintada de ouro. Vão direto lá para baixo, para o Inferno. O Diabo está tendo de aumentar o fogo para dar conta de tanto trabalho. Isso até explica um pouco esse tal desmatamento da Amazônia. A demanda de lenha no Inferno aumentou muito. O chifrudo velho nunca trabalhou tanto. E como você sabe, a Terra é plana. Com esse fogaréu todo lá embaixo, a coisa funciona como um fogão a lenha. O fogo é embaixo, mas a chapa esquenta mesmo é em cima. Entendeu, queridão? Não fala mais essa bobagem de efeito estufa. O que temos mesmo é um efeito “chapa de fogão”.

O climatologista, em estado de graça, abriu um sorriso e percebeu o valor da epifania do Nego Véio. Uma tese bem elaborada e ao gosto de criacionistas, terraplanistas e negacionistas do aquecimento global. Insistir, com esse tipo de pessoa, que a mudança do clima da Terra, causada pela atividade humana, é uma ameaça real, é dar murros em ponta de faca. Não adianta alegar que há mais indicadores da mudança do clima global do que meramente a elevação da concentração atmosférica de gases de efeito estufa pela atividade antrópica (inequivocamente diagnosticada desde os anos 1950). Que, sim, a humanidade pode não ser sensível às mudanças nas médias das variáveis climáticas, que apontam os relatórios científicos do Painel Intergovernamental da Mudança do Clima (IPCC), mas não é imune aos acidentes causados pelos eventos climáticos extremos. E que mudança do clima não é atraso para a agricultura brasileira. Ao contrário, nos confere competitividade e abre espaço para inovação tecnológica e criação de novos negócios, sem precedentes. Querem um exemplo? A indústria de biocombustíveis no Brasil. Sim, o Acordo de Paris é coisa séria. Mas quem preferir que fique com o efeito “chapa de fogão”.

(P.S.: inspirado em interpretação do aquecimento global atribuída a uma pastora paraguaia, que circula nas redes sociais, sobre um suposto efeito frigideira. Muito provavelmente, uma fake news.)

Esta coluna foi publicada originalmente em 16 de agosto de 2019.

 

Gostou? Compartilhe