Acusado de matar ex-companheira com dois tiros será ouvido nesta quarta

Ele deve se apresentar à tarde acompanhado de advogado

Por
· 1 min de leitura
Grasiela do Nascimento Pavão tinha 28 anos e foi assassinada no domingo, 30 de junhoGrasiela do Nascimento Pavão tinha 28 anos e foi assassinada no domingo, 30 de junho
Grasiela do Nascimento Pavão tinha 28 anos e foi assassinada no domingo, 30 de junho
Você prefere ouvir essa matéria?

O ex-companheiro de Grasiela do Nascimento Pavão, de 28 anos, morta com dois tiros na cabeça na madrugada de domingo (30), deve se apresentar na tarde desta quarta-feira (3) na Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP)  de Passo Fundo. Ele é apontado como o autor dos disparos que matou Grasiela. O caso é tratado como feminicídio.

 

Segundo a delegada responsável, Daniela de Oliveira Minetto, o advogado do acusado procurou a delegacia na segunda-feira (1) e disse que deve apresentar o cliente hoje, acompanhado de um dos irmãos.

 

Até o momento foram ouvidas três testemunhas para o inquérito. De acordo com o depoimento delas, um dos irmãos do acusado estava com ele no momento dos disparos.

 

Ele também deve ser enquadrado no mesmo crime.

 

A delegada disse que ainda analisa a necessidade ou não de solicitar prisão preventiva.

 

Quanto ao inquérito, a estimativa é de que em até 30 dias seja remetido à Justiça.

 

O crime

 

Grasiela do Nascimento Pavão, de 28 anos, morreu na madrugada de domingo (30) após ser atingida por dois disparos de arma de fogo na cabeça dentro da sua casa, na rua Setembrino Vieira dos Santos, bairro Donária. Segundo testemunhas, o autor dos disparos foi o ex-companheiro de Grasiela, que já a havia ameaçado dizendo que se ela “não ficasse com ele não ficaria com mais ninguém”. 

 

De acordo com o Boletim de Ocorrência, Grasiela foi casada por oito anos com o acusado e estava separada há três meses.

 

Ela já estava em outro relacionamento e vivendo com o novo companheiro. 

 

O homem estava com ela quando ela foi atingida.

 

 A mãe da vítima, que mora ao lado, ouviu os disparos e quando entrou na casa de Grasiela disse que viu o ex-companheiro da filha com a arma na mão junto de seu irmão. Ambos fugiram do local.

 

 A mãe confirmou as ameaças que a filha sofria à policia, mas disse que Grasiela não havia registrado denúncia na delegacia.

 

Gostou? Compartilhe