Integrante de quadrilha que explodiu caixa eletrônico é preso

Crime aconteceu no início de outubro; acusado ostentava em vídeo armas que seriam entregues a grupos criminosos

Por
· 3 min de leitura
Foram apreendidas com o acusado uma pistola Bersa, calibre 9 milímetros, um revólver calibre 38 e uma CNH falsificadaForam apreendidas com o acusado uma pistola Bersa, calibre 9 milímetros, um revólver calibre 38 e uma CNH falsificada
Foram apreendidas com o acusado uma pistola Bersa, calibre 9 milímetros, um revólver calibre 38 e uma CNH falsificada
Você prefere ouvir essa matéria?

Um dos cinco suspeitos de participar do assalto a um caixa eletrônico da empresa BRF, em Serafina Corrêa, foi preso na manhã desta terça-fera (5) no bairro Rubem Berta, em Porto Alegre. Ele estava em uma casa com armas e documento falso e tentou resistir à prisão. O acusado deve responder por porte ilegal de arma de fogo, receptação e uso de documento falso.


Segundo as investigações, conduzidas pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de Passo Fundo, com apoio do Core e da Delegacia de Polícia de Guaporé, o acusado foi um dos cinco indivíduos que assaltou um caixa eletrônico da empresa BRF no dia 1º de outubro deste ano, em Serafina Corrêa.


Na ocasião, uma quadrilha invadiu a sede da empresa BRF, rendeu vigilantes e funcionários, e, com explosivos, abriu um dos caixas eletrônicos.


Investigação

Foi identificado, conforme as investigações, que pelo menos cinco indivíduos participaram ativamente do crime com uso de duas armas curtas e três espingardas de grosso calibre. A quadrilha também estava de luvas, tocas/máscaras e, provavelmente, sabiam que os caixas estavam abastecidos para pagamento. Naquele turno havia cerca de 700 funcionários e uma pessoa ficou lesionada, além de outros terem pertences pessoais roubados. 

 

As investigações começaram logo após o crime com apoio da Delegacia de Polícia Civil de Guaporé e chegaram ao acusado, preso hoje. Foi identificado que ele era foragido do Presídio de Guaporé e já respondia pelo crime de roubo a residência ocorrido no interior de Guaporé – onde havia disparado contra uma das vítimas, que não foi atingida.


Após identificação do local em que o acusado se escondida, ontem, ele foi localizado em um beco do bairro Rubem Berta, quase divisa com Alvorada. No local foram apreendidas uma pistola Bersa calibre 9 milímetros, um revólver calibre 38 – furtado do cofre de uma farmácia em Porto Alegre – e uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsificada, utilizado pelo suspeito.


Vídeo


A polícia também encontrou um vídeo em que o acusado exibe armas. Segundo a Draco, o vídeo foi gravado na casa onde ele estava escondido. Ele diz: “Aí branca de neve, ó, demorou, mas chegou teus brinquedinhos. Aí, ó o que tu tinha encomendado com nós aí, ta esperto? Cheguemo aí em Blumenau, Santa Catarina, pra chegar chegando. Vamos chegar representando. É tudo quatro e passa nada aí! Aí orelha, ó, demoro, cupinxa, mas ta aí os brinquedinhos. Chegou os oitão, as pistolas, na noite chega os fuzil e vamo representa aí, não adianta, hein. É os alcaide, passa nada!” [sic].


De acordo com Diogo Ferreira, delegado da Draco de Passo Fundo, as armas provavelmente seriam entregues a outros grupos criminosos para a prática de roubos. O homem atuava na região de Guaporé e Alvorada e é considerado pela polícia como sendo de “periculosidade considerável”.


As investigações prosseguem para identificar os outros envolvidos no assalto.

 

Relembre

 
O crime aconteceu na madrugada do dia 1º de outubro, quando pelo menos cinco indivíduos armados explodiram um caixa eletrônico na empresa BRF, na cidade de Serafina Corrêa, 85 quilômetros de Passo Fundo.


A ação ocorreu por volta das 2h50 quando os suspeitos renderam os vigilantes e entraram no complexo industrial. "Ele parecia profissional. Apontou a arma para o meu marido e entrou. Nós saímos correndo pela saída de emergência porque não sabíamos que era um assalto. Pensávamos que fosse uma massacre, né? Vem acontecendo tanta coisa", disse uma funcionária da empresa na época, que preferiu não ser identificada.


A empresa alimentícia emprega cerca de 1,5 mil colaboradores, conforme o Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação de Serafina Corrêa, e entre a noite e a madrugada atuam 700 funcionários. Na madrugada do crime, os funcionários estavam no período entreturno, com a saída e entrada dos industriários.


Após o crime, guarnições da Brigada Militar realizaram buscas pelo interior da cidade e recuperaram um veículo Renan Sandero, com placas de Guaíba, em situação de furto desde o dia 26 de setembro na região metropolitana. Dentro dele também foram encontrados oito cartuchos não deflagrados de calibre 12.

Gostou? Compartilhe