Brigada Militar doa cavalo para Educação Inclusiva Equoterapêutica de Erechim

O equino pertenceu ao Pelotão Hipo do 3°RPMon, e auxiliou no policiamento montado em Passo Fundo por mais de sete anos

Por
· 1 min de leitura
Sd Helenice/comunicação Social do 3RPMonSd Helenice/comunicação Social do 3RPMon
Sd Helenice/comunicação Social do 3RPMon
Você prefere ouvir essa matéria?

O 3°RPMon realizou a doação do cavalo “Nanquim do Planalto” ao Patronato Agrícola e Profissional São José, na cidade de Erechim, onde auxiliará na educação inclusiva Equoterapêutica desenvolvida pelo Patronato. Este é o segundo equino doado pelo Regimento à instituição.

O animal de índole dócil, que pertenceu ao Pelotão Hipo do 3°RPMon, auxiliou no policiamento montado em Passo Fundo por mais de sete anos, e encerrou suas atividades na Corporação, agora passando para uma nova etapa, onde continuará prestando serviço à comunidade. A Brigada Militar enfatizou que os animais são utilizados alternadamente, preservando a saúde e bem-estar do equino

O Patronato desenvolve o Projeto Fortalecer: Equoterapia, tendo sua criação em novembro de 2015, com o objetivo de propiciar saúde preventiva e melhor qualidade de vida a seus praticantes. No Patronato, os praticantes e seus familiares são recebidos em um ambiente agradável e acolhidos, por uma equipe multidisciplinar composta por profissionais de fisioterapia, assistência social, psicologia e equitação, com conhecimentos de acordo de Associação Nacional de Equoterapia ANDE/BRASIL. O propósito é criar estratégias de intervenções capazes de colaborar para o desenvolvimento pleno de cada pessoa, respeitando as suas individualidades.

É um método terapêutico e educacional baseado na interação do praticante com o cavalo e usufruindo do meio ambiente onde o mesmo vive, dentro de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas da saúde, educação e equitação objetivando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com necessidades especiais ou não. O Projeto conta com 8 cavalos em forma de revezamento e atende 64 pessoas por semana.

Desta forma, a Equoterapia aplica a metodologia da equitação clássica e atividades para proporcionar ao praticante benefícios físicos, psicológicos e sociais. É indicada nos casos de Síndrome de Dow e autismo, paralisia cerebral, depressão, estresse e psicoses, lesões neuromotoras, doenças degenerativas, AVE (Acidente vascular encefálico), TCE (Traumatismo craniano encefálico), doença de Parkinson, Alzheimer, Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, deficiência auditiva, visual e intelectual e dificuldades de aprendizagem e linguagem.

Além da colaboração deste Regimento com os trabalhos de Equoterapia no Patronato, a Brigada Militar mantém um convênio com a Universidade de Passo Fundo (UPF), cedendo o espaço e os animais da Fazenda da Brigada Militar, em Passo Fundo, para a realização do Projeto de Extensão de Educação Inclusiva Equoterapêutica.

Gostou? Compartilhe