Justiça concede liberdade condicional ao padre que cometeu sequência de assaltos

Advogada que defende Elizeu Lisbôa Moreira enfatizou que ele deixou o presídio para passar por um tratamento psiquiátrico

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O Judiciário acatou o pedido da defesa do padre Elizeu Lisbôa Moreira, e concedeu na quarta-feira (10), a sua liberdade condicional. Ele estava no Presídio Regional de Passo Fundo desde a terça-feira (2), após uma sequência de assaltos em dois supermercados e uma farmácia de Passo Fundo. O padre não tem antecedentes policiais e foi internado em uma clínica psiquiátrica.

A advogada do padre, Maura Leitzke, enfatiza ele vinha passando por um tratamento psiquiátrico. Ela disse que o padre havia abandonado a medicação por conta própria.

 “Se trata de um padre que estava enfrentando um tratamento psiquiátrico, tomando uma série de medicamentos e que por escolha própria, nas últimas semanas, deixou de fazer o uso da medicação, o que acabou resultando em um surto de eventos que não estavam em seu controle emocional”, disse ela.

A decisão da Justiça em colocar o padre em liberdade condicional, não altera o andamento do processo, ele terá que responder pelos crimes aos quais está sendo acusado, a saída da prisão se dá unicamente para que faça o seu tratamento de saúde.

 

A prisão

Segundo o registro policial, às 19h20 de terça-feira (2), a Brigada Militar recebeu a denúncia que dois supermercados, um no bairro Lucas Araújo, e outro no bairro Petrópolis, além de uma farmácia no bairro São Cristóvão haviam sido assaltados. Nas três ocorrências o assaltante tinha as mesmas características físicas, roupas e estava utilizando o mesmo carro. Após buscas em diferentes pontos da cidade, o veículo foi abordado na rua Dez de Abril e o condutor foi identificado como sendo o padre Elizeu Lisbôa Moreira.

Em busca pessoal, foi localizado na cintura do suspeito um simulacro de pistola, e uma mochila contendo um boné vermelho utilizado nos roubos, R$ 655 em notas variadas e produtos alimentícios e higiene roubados dos locais. Diante dos fatos foi dada voz de prisão e conduzido à Delegacia de Polícia Civil para providências cabíveis. 


Gostou? Compartilhe