Congresso da Associação Europeia

O evento discutiu as atualidades mundias na área de Hematologia.

Por
· 1 min de leitura
Evento discutiu as novidades na áreaEvento discutiu as novidades na área
Evento discutiu as novidades na área
Você prefere ouvir essa matéria?

A hematologista do CITO, Moema Nenê Santos participou da vigésima edição do Congresso da Associação Européia de Hematologia (EHA) realizado de 11 a 14 de junho, em Viena na Áustria. O evento discutiu as atualidades mundias na área de Hematologia. Na área dos Linfomas Não Hodgkins do tipo T foi exposto suas variações no diagnóstico, bem como tratamento atual com esquemas e associações de medicamentos novos como romidepsin, pralatexate e belinostat, bem como uso de imunoterapia do tipo brentuximabe em paciente com células doentes que apresentam marcadores tumorais positivos para esta terapia.

No tratamento de Mieloma Múltiplo foi enfatizado novos escores para avaliação do estado geral do paciente, escores clínicos e geriátricos atualizados com diferenciação do tratamento de cada paciente de forma individualizada, na dependência das alterações clínicas e protocolos de primeira linha diferenciados para pacientes mais idosos, e mais jovens bem como as novas terapia para pacientes com doença refratária ou recidivada com o potencial uso de anticorpos monoclonais (daratumumab e elotuzumab) em associação com terapias utilizadas.

Nos Linfomas Não Hodgkin de Baixo grau cada vez mais vem crescendo a inclusão de novos tratamentos com melhora na resposta clínica do paciente, bem como diminuição da toxicidade secundária ao tratamento, medicamentos como ibrutinibe, lenalidomida, bortezomibe, ABT-199 tem sido avaliados em associações visando efeito imunomodulatório nas células doentes, desta forma potencializando a destruição de células malignas. Nas neoplasias mieloproliferativas e leucemias as alterações citogenéticas bem como a expressão de genes mutados que levam a proliferação de células doentes tem levado a investigação de medicamentos direcionados a estas alterações estruturais específicas com excelentes resultados na evolução clínica do paciente.

 

Gostou? Compartilhe