Passo Fundo deve receber mais 600 doses da vacina pentavalente

Doses recebidas atendem a demanda atrasada de imunização

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Secretaria da Saúde (SES) iniciou a distribuição de um novo lote de 42 mil doses da vacina pentavalente para a Capital e Região Metropolitana. As vacinas devem chegar a todas as regiões do Estado até o final da semana, conforme cronograma de retirada pelas Coordenadorias Regionais de Saúde. Todas as cidades do RS serão atendidas, em número proporcional à população.


A Coordenadoria de Passo Fundo vai receber as doses até sexta-feira e a secretaria municipal da Saúde deve ser contemplada com mais 600 doses. Atualmente, poucas doses da vacina pentavalente restam em algumas unidades de saúde do município, desde que chegou a última remessa, segundo informou a secretário Carla Gonçalves. O município estava desde novembro do ano passado sem receber as vacinas. Situação que atingiu todo o país, por conta da interrupção no fornecimento por parte do Ministério da Saúde.
A vacina é recomendada para crianças em três doses, aos 2, 4 e 6 meses. A pentavalente protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meningite por Haemophilus influenzae B.


Esse é o segundo envio do Ministério da Saúde em caráter emergencial. Na primeira quinzena de janeiro, já haviam sido repassadas aos municípios 41 mil doses. O imunobiológico passou por um período de indisponibilidade devido a um desvio de qualidade identificado na sua produção. O atual lote, que é importado, foi liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após aprovação em testes de qualidade pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS).


A quantidade já recebida nestas primeiras semanas do ano corresponde a aproximadamente duas vezes a média mensal utilizada no Estado. A criança – independentemente da idade – que não tomou uma ou mais doses previstas no calendário deve ser levada à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima para colocar em dia sua carteira de vacinação.


A primeira dose é prevista aos 2 meses de idade e, a partir dela, as demais com intervalo mínimo de 30 dias, sendo que recomenda-se 60 dias entre as doses. Quem deixou de tomar alguma dose na idade recomendada pode ser vacinado a qualquer momento, respeitando o intervalo de tempo previsto.



Imunização mensal


Com uma média entre 250 a 270 novos bebês nascidos no município a cada mês, a Secretaria recebia até o ano passado, lotes de 400 doses mensais da vacina. Em agosto e outubro do ano passado, no entanto, foi entregue a metade das aplicações necessárias e o estoque acabou zerado em setembro. Os repasses da vacina são considerados insuficientes para suprir as três aplicações necessárias às crianças ao completarem 2, 4 e 6 meses de idade.

 

Gostou? Compartilhe