HSVP recebe empréstimo de medicamentos e retoma atendimentos

Hospital publicou nota informando que mantém “o mesmo nível de alerta com os organismos públicos de saúde”

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A direção do Hospital São Vicente de Paulo divulgou uma nota no final da manhã desta sexta-feira, informando a retomada de atendimento aos pacientes. A suspensão havia sido anunciada aos órgãos públicos de saúde ontem (25), em razão da falta de medicamentos. Em entrevista ao ON, o diretor médico do hospital, Adroaldo Malmam disse que a medida era uma forma de garantir o atendimento dos pacientes já internados na instituição. 

Na nota desta sexta-feira, o HSVP informa ter recebido o empréstimo de outras instituições hospitalares e de clínicas, além de doações da Secretaria Municipal de Passo Fundo e empresário de outro segmento. A nota destaca que “Continuamos, segundo critérios técnicos pertinentes, em uso racional dos medicamentos que integram o “kit de intubação” de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Nesta data, mantemos o mesmo nível de alerta com os organismos públicos de saúde”. 

A entidade aguarda ainda a chegada de medicamentos fornecidos pelo Estado e que estão sendo distribuídos pelo Exército. 

Confira a nota na íntegra

Comprometido com a segurança, assistência e boa prática médica, considerando o comunicado do Hospital de alerta para os órgão oficiais de saúde, ontem, 25/03/2021, continuamos em constante campanha para manter o nível adequado de medicamentos utilizados em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), especialmente, no tratamento da COVID-19. Recebemos, até o momento, empréstimos de outras instituições hospitalares e de clínicas e doações da Secretaria de Saúde do Município de Passo Fundo e empresário de outro segmento. Continuamos, segundo critérios técnicos pertinentes, em uso racional dos medicamentos que integram o “kit de intubação” de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Nesta data, mantemos o mesmo nível de alerta com os organismos públicos de saúde.

Gostou? Compartilhe