BSBIOS acolhe quatro Venezuelanos

Eles começaram a trabalhar na indústria de biodiesel e na armazenagem de grãos

Escrito por
,
em
Recepcionados por diretores da empresa, maioria dos trabalhadores tem experiência na Petroleira Venezuelana

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Na última semana chegaram a Passo Fundo quatro imigrantes Venezuelanos, que foram selecionados pela BSBIOS, para trabalhar na unidade industrial. Em busca de uma vida melhor e mais digna eles deixaram a sua terra natal e vieram para o Brasil. Inicialmente se estabeleceram em Boa Vista, no estado de Roraima, mas o volume de imigrantes era tão grande que a Organizações das Nações Unidas - ONU teve que intervir e, com isso eles chegaram ao Rio Grande do Sul. O presidente da BSBIOS, Erasmo Carlos Battistella, conta que soube da situação e solicitou ao setor de Gestão de Pessoas para que selecionasse quatro imigrantes para compor o quadro de colaboradores da empresa. “A BSBIOS se solidariza com essa causa, pois sabemos da situação calamitosa que os nossos vizinhos estão enfrentando. No Brasil há uma grande quantidade de Venezuelanos e acreditamos ser justo e necessário que as empresas possam contribuir com essa situação, se cada uma contribuir um pouco faremos a diferença,” falou o empresário.
 
Os quatro Venezuelanos acreditaram que no Brasil poderiam dar um sustento melhor para suas famílias. “Eu vim em busca de uma vida melhor, lá o dinheiro de um mês de trabalho dava miseramente para comprar um pouco de arroz, não tinha dinheiro e nem acesso à comida para dar aos meus filhos,” declarou Yimi Eloy, de 37 anos, que atuava há 17 anos em uma petroleira.
 
Osmar Johan, operador de máquinas, destacou que todos levavam uma vida estável na Venezuela, mas nos últimos anos a situação mudou. “Nosso dinheiro passou a não valer mais nada, estava insustentável ficar lá. Até chegarmos aqui – em Passo Fundo –, também não foi fácil, moramos na rua, em abrigos e fomos trabalhando no que nos ofereciam para podermos enviar algum dinheiro para nossas famílias,” contou ele.
 
A Venezuela está passando pela maior crise econômica e política de sua história, com um êxodo populacional elevadíssimo. “Nunca imaginei ter que sair do meu país. Estamos muito gratos à oportunidade que estamos tendo aqui na BSBIOS, a vinda à Passo Fundo está sendo uma grata surpresa. Agora voltei a ter esperança em ter uma vida melhor e de poder ajudar a minha família,” contou Renny Daniel, de 24 anos.
 
O operador de máquinas pesadas, Ramon Fernando, de 40 anos, que já estava há 11 meses no Brasil diz que agora está valendo à pena ter saído da Venezuela. “Aqui teremos um futuro, uma vida mais digna, nossa família vai ter o que comer. Estamos muito agradecidos à BSBIOS,” falou Ramon destacando que quando estiver melhor estabelecido irá trazer sua família para morar no país.
 
Os quatro imigrantes começaram a trabalhar na área industrial, três deles na área de armazenagem de grãos e um deles como operador na produção de biodiesel. A BSBIOS está dando o suporte inicial para eles, como moradia e alimentação. Uma campanha interna entre os colaboradores também está em andamento para arrecadar roupas, cobertas e utensílios domésticos.
 
Quem são eles

Yimi Eloy
37 anos, separado, 3 filhos (10, 9 e 6 anos)
Trabalhou 17 anos na Petroleira Venezuelana
 
Osmar Johan
32 anos, casado, 3 filhos (8, 5 e 2 anos)
Trabalhou 8 anos como Operador de máquinas na Petroleira Venezuelana
 
Renny Daniel
24 anos, solteiro, 1 filho (4 anos)
Estudante e jogador de beisebol


Ramon Fernando
40 anos, separado, 3 filhos (9, 6 e 2 anos)
Operador de máquinas pesadas na Petroleira Venezuelana

Gostou? Compartilhe