Rumo recorre no caso beira-trilho

A linha férrea que corta a cidade tem cerca de 15 quilômetros de extensão

Por
· 1 min de leitura
Sem equipamentos de contenção de segurança,crianças brincam sobre os trilhosSem equipamentos de contenção de segurança,crianças brincam sobre os trilhos
Sem equipamentos de contenção de segurança,crianças brincam sobre os trilhos
Você prefere ouvir essa matéria?

A Rumo Malha Sul ingressou com recurso sobre as decisões da Justiça Federal durante audiência pública realizada em 28 de janeiro, referente a situação dos moradores da Beira-trilho. A Rumo é detentora da concessão da Malha Ferroviária Na oportunidade, o juiz da 1ª Vara Federal de Passo Fundo Rafael Categnaro Trevisan, fixou o prazo de 150 dias ( cinco meses), para a empresa apresentar o levantamento de todas as residências e moradores da Beira-Trilho, em Passo Fundo. Também estipulou uma multa no valor diário de R$ 10 mil em caso de descumprimento.


Entre outras decisões, o magistrado determinou ainda, a inclusão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), como réu no processo. O processo civil contra a Rumo, município, ANTT e União, tramita desde 2005, com base num relatório apresentado pela Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo, sobre a situação das ocupações às margens da ferrovia.


No recurso, a empresa solicita imediato efeito suspensivo dos prazos e providências, até o julgamento definitivo do recurso, relacionados ao levantamento topográfico e da inspeção judicial, ainda do ônus exclusivo determinado à empresa para viabilização e custeio destes trabalhos. Também inclui suspensão da apresentação do cronograma de trabalho do levantamento topográfico em 30 dias contados da data da audiência.

Gostou? Compartilhe