OPINIÃO

Lorelei Lee

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Dia 5 de agosto de 1962, domingo 04:30h, Lorelei foi declarada morta aos 36 anos; estava deitada de bruços com a mão esquerda segurando o telefone. Livores manchavam sua pele linda, não parecia nem de perto o furacão que enlouqueceu os homens, todos eles, por quase 15 anos. Os frascos de barbitúricos sobre o criado mudo denunciavam seu desiderato: suicídio. Seria mesmo isso? Ou seria que Hollywood sangrara mais um de seu personagens mais emblemáticos? Porque a vida é assim, a vida dos negócios, pelo menos. Todos temos nossos prazos de validade e a partir dos quais somos substituídos peremptoriamente. Lorelei não era mais Lorelei quando em “O Pecado Mora ao Lado” fez a cena em que sua saia esvoaçante sobre a grade do metrô em New York transformou a inocente Lorelei na vênus platinada prosaica e vulnerável, agora como Marylin Monroe. Sem berço, pai desconhecido, mãe louca, mal casada dos 16 aos 20 anos, operária de fábrica era Norma Jeane Mortenson e havia sofrido abusos na infância. Mas, quem se interessava por isso tudo? Somente ela sabia-se e sofria por se saber. Entupia-se de calmantes, dormia nas horas erradas, atrasava-se para as filmagens, tinha brancos diante das câmeras. Era disléxica e bipolar, tinha endometriose, cólicas e pesadelos intermináveis. No dia em que foi encontrada morta tinha viagem marcada para Paris com o milionário brasileiro Jorginho Guinle que teve romances com a maioria das grandes divas do cinema entre os anos 50-60. Dele, de seu poder, só tenho o nome.

Jerry Lewis, falecido em agosto de 2017, era agitado, sarcástico, inteligente (QI 145, mesma marca de Benjamin Franklin e Galileu). Seus personagens, quase todos autobiográficos, exibiam edipianismo do medo, complexo de inferioridade, infantilismo, misoginia e narcisismo. Era obstinado, tenso, disciplinado e extremamente perfeccionista. Era um compêndio de arte e distúrbios, servia à Hollywood.

Cacilda Becker teve um derrame cerebral enquanto encenava “Esperando Godot”, de Samuel Beckett e morreu dias após. Foi levada ao hospital com suas roupas de palco. Lembro-me bem desse dia de junho de 1969 quando comuniquei a minha mãe a notícia que ouvira no rádio.

Nossas vidas vão perdendo o viço progressivamente; como diz a música – a velha guarda agora está se reunindo em outro lugar.

Todas as informações de cinema aqui contidas estão no excelente livro Vai Começar a Sessão (Sergio Augusto). Boa leitura.


Gostou? Compartilhe