Leitura e gamificação

Lançado nessa quarta-feira, o aplicativo da Jornada Nacional de Literatura propõe a interação entre literatura e atividades lúdicas em forma de jogos

Por
· 2 min de leitura
Lançamento do ?EURoeJornadApp?EUR? aconteceu nessa quarta-feira, com a presença da comissão organizadora da 16ª Jornada Nacional de Literatura e da 8ª Jornadinha Nacional de LiteraturaLançamento do ?EURoeJornadApp?EUR? aconteceu nessa quarta-feira, com a presença da comissão organizadora da 16ª Jornada Nacional de Literatura e da 8ª Jornadinha Nacional de Literatura
Lançamento do ?EURoeJornadApp?EUR? aconteceu nessa quarta-feira, com a presença da comissão organizadora da 16ª Jornada Nacional de Literatura e da 8ª Jornadinha Nacional de Literatura
Você prefere ouvir essa matéria?

Neste ano, mais do que ler as obras dos escritores que irão participar da Jornada e da Jornadinha Nacional de Literatura, a comunidade terá a oportunidade de interagir com os livros, além de navegar por rotas literárias, através de um aplicativo para celular. O “JornadApp”, lançado nessa quarta-feira na Biblioteca Central da Universidade de Passo Fundo, é uma forma lúdica e ao mesmo tempo divertida de tornar a leitura um hábito prazeroso.

O aplicativo oficial da Jornada, que integra as atividades da Pré-Jornada e Pré-Jornadinha, consiste em uma plataforma de jogos, disponível para sistema Android quanto iOS, em duas funcionalidades: o “JornadApp na Escola” e o “Projeto Transversais: rotas leitoras”. O coordenador da Jornada, professor Miguel Rettenmaier, explica que a ideia está vinculada a uma demanda maior, de envolver a comunidade de forma mais aproximada ao trabalho da Jornada. “Para tanto, foi pensado uma dinâmica que envolvesse a cidade de Passo Fundo, e aí pensamos no ‘Projeto Transversais: rotas leitoras’, pelo qual o caminhante anda pela cidade e vai atualizando conteúdos. Essa atualização de conteúdo lhe garante uma Pré-Jornada”.

Quanto à faceta da Pré-Jornadinha, o “JornadApp na Escola”, Rettenmaier esclarece que é um trabalho já existente, que consiste no envolvimento de estudantes por práticas leitoras, mas agora  com uma linguagem específica para aplicativo. “A gente não pode, nesse tipo de modalidade textual, utilizar do mesmo procedimento que utilizávamos antes, nos cadernos de atividade. A linguagem do aplicativo deve ser mais dinâmica, mais rápida”.

Projeto Transversais: rotas leitoras

No Projeto Transversais, o público-alvo são estudantes do ensino médio e adultos. O participante deverá caminhar pelo centro da cidade, por caminhos pré-estabelecidos que envolvem pontos turísticos e históricos de Passo Fundo com informações na rota escolhida, via mapas. Nesta modalidade, a atividade pode ser tanto individual quanto em grupo. Para caminhar nas rotas, basta inscrever-se e começar a participar, mas é importante que o caminhante tenha lido as obras, porque uma das condições é, em caso de erro na resposta do desafio, esperar 12 horas para conseguir responder novamente. Ao todo, quatro rotas podem ser pecorridas: Rota dos Montros e Medos; Rota das Imagens; Rota dos homenageados e Rota da Igualdade – cada rota apresenta temas específicos a serem visitados, onde haverá QRcode, para que o participante faça a leitura com seu dispositivo e o próximo passo seja liberado.

JornadApp na Escola

Destinado aos alunos de ensino fundamental, o JornadApp oferece atividades específicas para professores, que, uma vez inscritos como líderes de grupo, podem baixar as atividades e realizar em sala de aula, junto com os alunos, utilizando um único aparelho por turma. As atividades são baseadas em obras associadas a distintos níveis de ensino – uma turma do primeiro ano não desenvolverá as mesmas atividades que uma turma do nono ano. Segundo Rettenmaier, o aplicativo garante um feedback rápido, ensina os alunos a cumprirem regras, fomenta a discussão entre colegas e integra a dinâmica na escola.

Gostou? Compartilhe