Dia das Crianças: Comércio estima crescimento nas vendas

Brinquedos devem ser os itens mais procurados para presentear os pequenos no dia 12 de outubro

Por
· 2 min de leitura
Expectativa é de gasto médio entre R$ 80 e R$ 90 em presentesExpectativa é de gasto médio entre R$ 80 e R$ 90 em presentes
Expectativa é de gasto médio entre R$ 80 e R$ 90 em presentes
Você prefere ouvir essa matéria?

 O comércio varejista está otimista com a proximidade do dia das crianças e as estimativas de incremento de vendas em relação a 2016. Uma pesquisa estadual elaborada pela Fecomércio-RS indica que as vendas devem ser cerca de 5% maiores em relação ao ano passado. Em Passo Fundo, o Sindilojas aponta um crescimento semelhante. Brinquedos devem ser os presentes mais procurados, mas vestuário e jogos eletrônicos também aparecem nas intenções de compras. A presidente do Sindilojas, Sueli Marini, explica que de todas as datas comemorativas, essa é uma das que apresenta o maior crescimento em 2017, em relação ao ano passado. O resultado, no entanto, deverá ser diferente conforme cada segmento do comércio. “Apesar de modesto, este crescimento é importante porque uma melhora na economia gera uma ampliação da confiança do consumidor e do empresário”, explica Sueli sobre as perspectivas. No ano passado, o volume de vendas de outubro apresentou queda de 6,64% na comparação com o mesmo período de 2015. Neste ano, a relativa estabilidade do câmbio auxiliou na manutenção dos preços de brinquedos importados.

Valores

O investimento médio em presentes para o dia das crianças deve ficar entre R$ 80 e R$ 90, de acordo com Sueli. Para ela, é importante que os empresários lembrem-se de manter o foco, a inovação e de investir em equipes bem preparadas. “Todos os empresários devem aproveitar o trânsito das pessoas que vão comprar os presentes das crianças e é preciso que eles encantem essas pessoas para elevar as vendas”, reforça. Outro fator favorável que se apresenta, segundo Sueli, é de que a inadimplência não tem apresentado aumento. “O pior cenário é quando a inadimplência amplia, porque se não há crédito não há consumo”, pontua.

Mais trabalho

Os dados mais recentes no Estado revelam algum avanço gradual ao longo do ano no volume de emprego e massa de rendimentos, conforme o relatório da Fecomércio. No segundo trimestre de 2017, a taxa de desocupação no Rio Grande do Sul foi de 8,4%, resultado que reflete o aumento na ocupação principalmente nos postos sem carteira assinada – o que evidencia a dificuldade na geração de vagas formais. Já a massa de rendimentos, puxada pela queda da inflação, apresentou aumento real de 3,3% na comparação 2017/2016. A inflação, medida pelo IPCA, registrou variação de 2,1% no acumulado em 12 meses até agosto/2017, frente a 8,6% em outubro de 2016. 

Menos crianças

O relatório da Fecomércio-RS enfatiza ainda que o fator demográfico mais uma vez surge como limitante às vendas para o público infantil. Segundo projeções mais recentes do IBGE, no intervalo de apenas um ano, entre 2016 e 2017, a população gaúcha com até 14 anos deve cair 1,8%, percentual que chega a uma redução de 20,7% se comparado ao ano 2000.

Venda de bicicletas chama atenção

Nas lojas, um item que tem chamado a atenção pela saída são as bicicletas, tanto para meninos quanto para meninas. O auxiliar de loja das Lojas Cátia, Vanderson Albuquerque, explica que a procura pelo item não é muito comum para o dia das crianças. Para meninas as linhas de bonecas também são bastante procuradas, e para os meninos carrinhos de controle remoto têm boas vendas neste ano. Conforme Albuquerque, a média investida em presentes tem variado de R$ 120 a R$ 130 na loja. Mesmo assim, a estimativa de crescimento de vendas é um pouco inferior ao indicado pela pesquisa estadual, e está em 3%. A partir deste final de semana a previsão é de que o movimento se intensifique.

 

Gostou? Compartilhe