Programa Sentir completa quatro anos de atividade

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Para auxiliar as equipes de enfermagem a refletir em torno das vivencias diárias e no compartilhamento de situações do cotidiano de trabalho teve início em 2015 o “Programa Sentir” no Hospital de Clínicas (HC) de Passo Fundo. Em 2018 o programa completou quatro anos de atividades, ampliando sua atuação com ações direcionadas às equipes do Centro de Hemodiálise e UTI Adulto, além das equipes do Serviço de Oncologia e Hematologia e UTI Neonatal, que já integravam o programa.

Embasado na Diretriz de Valorização do Trabalhador, descrita na Política Nacional de Humanização do Sistema Único de Saúde (SUS), o Programa Sentir é desenvolvido através de atividades que envolvem a reflexão em torno das vivencias diárias e o compartilhamento de situações do cotidiano de trabalho, auxiliando também no desenvolvimento interpessoal. “Os principais resultados do programa, após avaliação anual das atividades, demonstram que os trabalhadores ressaltam satisfação com a iniciativa, além de afirmarem a influência que a mesma tem para auxiliar no enfrentamento de situações estressoras da rotina de trabalho.” destaca a psicóloga do HC, Danúbia Miorando Rossatto.

A iniciativa busca oferecer maior qualidade de vida no ambiente de trabalho, e repercute também no engajamento da equipe de assistência em saúde. “O principal objetivo do programa é propiciar um espaço que facilite a reflexão entre os envolvidos quanto às necessidades emocionais exigidas pelo ambiente de trabalho, tendo como foco a sobrecarga emocional neste cenário.” pontua.

Os encontros que integram o cronograma de atividades do programa são desenvolvidos pela equipe de Psicologia Organizacional do HC. “Por meio dessa iniciativa busca-se proporcionar um suporte para o enfrentamento de situações estressoras na rotina laboral direcionadas às especificidades de cada área, as quais em sua grande maioria estão relacionadas a vinculação com pacientes e familiares, ao óbito, a impotência diante do sofrimento, além de diversos outros elementos. Os trabalhadores envolvidos no programa são em sua maioria técnicos de enfermagem, mas as atividades também contam com o apoio dos enfermeiros de cada área.” esclarece a psicóloga.

Gostou? Compartilhe