Caburé Canela toca em Passo Fundo no primeiro sábado de 2019

Banda paranaense se apresenta na Vaca Profana, no dia 5, às 20h

Por
· 1 min de leitura
Caburé Canela é formada por Carolina Sanches (voz), Lucas Oliveira (voz e guitarra), Maria Carolina Thomé (percussão), Mariana Franco (contrabaixo), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (voz e guitarra).Caburé Canela é formada por Carolina Sanches (voz), Lucas Oliveira (voz e guitarra), Maria Carolina Thomé (percussão), Mariana Franco (contrabaixo), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (voz e guitarra).
Caburé Canela é formada por Carolina Sanches (voz), Lucas Oliveira (voz e guitarra), Maria Carolina Thomé (percussão), Mariana Franco (contrabaixo), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (voz e guitarra).
Você prefere ouvir essa matéria?

Punk-baião, reggae-jazz, macumba-erudita. Todos esses e muitos outros nomes já foram inventados para tentar definir o som da Caburé Canela, banda que vem de Londrina, Paraná, e que tem chamado a atenção pela força de seus arranjos e canções. O grupo propõe uma sonoridade autoral, que incorpora e subverte diferentes gêneros da música popular brasileira e mundial. Quem estiver em Passo Fundo no sábado (05/01/19) vai poder conferir essa originalidade em um show que acontece a partir das 20h, na Casa de Cultura Vaca Profana (Rua Paissandú, 180). Os ingressos custam R$25 na portaria do evento mas podem ser comprados antecipadamente, com membros do coletivo, por R$20.

 

A apresentação faz parte da turnê do álbum de estreia da Caburé Canela, intitulado Cabra Cega, que foi lançado neste ano. Esse é o décimo terceiro show da turnê, que ainda deve contar mais sete apresentações pelo Sul do Brasil, nas cidades de Porto Alegre, Pelotas, Criciúma, Balneário Gaivota, Joinville e Curitiba. A turnê conta com o patrocínio da Prefeita Municipal de Londrina via PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura.


A Caburé Canela

Uma mistura que atravessa ritmos como rock, jazz, afro-beat, samba, baião e semba de angola. A Caburé Canela se serve de influências da cultura brasileira para colocá-las em contato com informações distintas, trazidas da música popular mundial e até mesmo da tradição erudita.


Formada há cinco anos em Londrina, em 2018 a Caburé Canela lançou o seu primeiro álbum, intitulado Cabra Cega. As sete canções que compõem o disco revelam, além da sonoridade mestiça, um minucioso trabalho de criação poética. As músicas apresentam letras bem cuidadas, todas compostas por membros do grupo e que passeiam por temas contemporâneos, explorando principalmente assuntos relacionados à subjetividade. O disco é uma espécie de ópera-rock conduzida por um personagem conceitual: um andarilho que, ao longo das músicas, experimenta diferentes paisagens de si mesmo. Cabra Cega pode ser escutado nas plataformas de streaming, inclusive no YouTube, pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=7oFjDZPPNJgAinda em 2018, a banda lançou o videoclipe da música Sem, dirigido por Leon Gregorio. O vídeo pode ser acessado no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=C2T2OIlPZd4


Em novembro, em um show ao lado da banda Maracajá, também de Londrina, o grupo lançou o Manifesto Igapó-Beat. O texto expressou as ideias das duas bandas em relação à própria sonoridade utilizando, para isso, o significado do nome igapó em tupi antigo: rio de raízes. É dessa forma que a Caburé enxerga suas próprias criações – como um rio que flui sonoramente entre raízes, ritmos e gêneros musicais.



 

 



 

 

Gostou? Compartilhe