As gerações de automóveis que circulam em nossas vidas

Em novembro será realizado o Encontro de Veículos Antigos e Especiais de Passo Fundo

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

Sábado, 05, o Auto Club de Veículos Antigos de Passo Fundo reuniu convidados no Sítio da Contalex para apresentar o 8º Encontro de Veículos Antigos e Especiais de Passo Fundo. O evento será realizado dias 09 e 10 de novembro, nos espaços internos e externos do Gran Palazzo, com uma área coberta de 5 mil metros quadrados. O presidente do ACVA, Michel Oncherenco da Silva explicou sobre a edição deste ano. Além das máquinas de colecionadores do RS e de outros estados, haverá uma atrativa programação. Será realizado um workshop de Mecânica Básica Automotiva Feminina e o segundo encontro nacional da marca Bianco, criada pelo projetista Toni Bianco. Para esta edição o consagrado Mercado de Pulgas será ampliado, para venda de peças e artigos relacionados ao antigomobilismo. A grande novidade será a realização de um leilão de veículos antigos. Além disso, haverá uma completa infraestrutura para conforto dos visitantes. São esperados entre 500 e 600 veículos para serem expostos. Ou seja, a mostra será uma longa viagem na história do transporte e da tecnologia.

 

Na poeira dos carros dos caixeiros-viajantes


Os automóveis fazem parte da história de Passo Fundo. Nas ruas, estradas, autódromos e garagens, há forte vínculo com os motores. É difícil precisar o ano em que iniciou essa paixão. Mais do que uma terra de passagem, ainda lá pelos anos 1940, Passo Fundo já era um forte núcleo dos representantes comerciais. Eram os conhecidos caixeiros-viajantes que enfrentavam barro e poeira pelas precárias estradas da época. No auge das serrarias, os caminhoneiros transportavam toras ao ronco dos lendários motores marítimos. Em época de tecnologia espartana, eles dependiam do apoio das oficinas mecânicas onde as dificuldades eram superadas pelo talento. Enfim, em Passo Fundo a turma já respirava o mundo automotor.

 

Motoristas, mecânicos, pilotos...
Mas para os motoristas de Passo Fundo era pouco ser apenas viajante, caminhoneiro ou mecânico. Do trabalho para as competições, foi uma rápida troca de marchas. Para aqueles que viviam sobre quatro rodas, faltava mais uma gota de adrenalina. Então vieram as primeiras competições automobilísticas, as corridas em estradas de chão e algumas provas urbanas com as famosas carreteras. Habituados ao volante, eles já estavam preparados para novos desafios. Ou grandes desafios. Tanto que, em 1957, Orlando Menegaz, ao lado de Aristides Bertuol, trouxe para Passo Fundo o troféu da segunda “Mil Milhas Brasileiras”. E em 1961, dividindo a pilotagem com Ítalo Bertão, garantiu o bicampeonato para Passo Fundo. Então, para despertar a memória, é bom lembrar que essa é a maior e mais importante prova do automobilismo brasileiro. Foi criada pelo Barão Wilson Fittipaldi e teve vencedores como Catharino Andreatta, Chico Landi, Émerson e Wilson Fittipaldi, Nelson Piquet e tantos outros.

 

Automobilismo
Se desde o início Passo Fundo estava nas Mil Milhas, não foi diferente em outras competições do automobilismo. Gradativamente, as carreteras foram substituídas por modelos nacionais com o Simca, DKW e o polivalente Fusca. Entre os anos 1960 e 1980 a turma queimava pneus nos famosos quilômetros de arrancada. E, mais uma vez, o nome de Passo Fundo era reverenciado. O famoso VW # 9 passava tinindo e assombrava grandes máquinas. O carro era de Nilton Fauth Vargas e contava com um motor preparado por Zica Pellegrini. Depois, muitos foram para os autódromos, kartódromos e provas de rally. E ainda estão pelas pistas do Brasil e do mundo. Pisando fundo, é claro.

 

Antigomobilismo
De tanto andar, correr ou apenas olhar para os automóveis, os passo-fundenses também aprenderam a cuidar com carinho dessa paixão. Os carros antigos passaram a ocupar espaços privilegiados nas garagens. O talento dos mecânicos passou em transmissão automática pelas gerações. As restaurações são impecáveis e, hoje, Passo Fundo também respira o antigomobilismo. O acervo aumentou, surgiu o ACVA e outras entidades. Temos aqui o Museu do Automobilismo Brasileiro. Os passo-fundenses até enviaram um museu para fora de Passo Fundo, o Museu do Automóvel de Canela. E, claro, anualmente temos o Encontro de Veículos Antigos e Especiais que é uma tentação para apaixonados de todas as idades.

Gostou? Compartilhe