CDL tem mais de 90 vagas de empregos

Com a aproximação do Natal tendência é aumentar oferta de trabalho temporário

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Faltando 45 dias para o Natal, as previsões de abertura de vagas temporárias para este final de ano melhoram as perspectivas para quem está em busca de emprego. De acordo com a coordenadora da Câmara de Dirigentes Lojistas de Passo Fundo (CDL) Emprego e CDL Estágios, Tamires Canali, os setores que mais empregam nesta época do ano são o comércio e o varejo. “Em comparação com 2018, as vagas não estão surgindo com tanta frequência, mas o destaque agora são para vagas de venda, caixa e atendimento ao cliente em lojas e shoppings”, explica.

 

A coordenadora esclarece que semanalmente o banco de vagas da CDL é atualizado. Na última sexta-feira (8) existiam 98 vagas, entre elas algumas não temporárias. “Nesse banco geral são diversas áreas operacionais e específicas, que buscam um perfil de candidato, e que dependem de um empenho e interesse do empregado para uma futura efetivação”, ressalta.

 

No cenário atual de Passo Fundo, segundo Tamires, existe bastante procura de emprego com exigência de qualificação em nível de Ensino Médio. “Neste momento a experiência não está sendo tão exigida, porque o empregador está disposto a ensinar sobre a vaga. Por isso, aquele candidato que possui maior escolaridade e busca uma qualificação no mercado de trabalho tem mais chances de êxito em uma entrevista e posterior contratação”, pontua.

 

Segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o salário médio de contratação de temporário, neste ano, terá o mesmo valor do ano passado de R$1.597. Ainda no mês de julho, pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que cresceu o número de brasileiros que estão desempregados há mais de dois anos. A comparação, feita entre os primeiros trimestres de 2015 e de 2019, aponta um aumento de 42,4%. No primeiro trimestre de 2019, quase um quarto das casas brasileiras viveu sem renda decorrente de trabalho. 

 

Gostou? Compartilhe