Senado aprova regulamentação da profissão de historiador

Medida foi celebrada por profissionais e docentes da área

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O Senado Federal aprovou na terça-feira (18), a regulamentação da profissão de historiador. O projeto, de autoria do senador Paulo Paim (PT/RS), foi encaminhado para a sanção presidencial deJair Bolsonaro e, assim que saiu da mesa do presidente da câmara alta do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM), foi comemorado por profissionais e docentes da área.

A professora do curso de História da Universidade de Passo Fundo (UPF), Ana Luiza Setti Reckziegel, mencionou que a medida delimita um espaço de atuação que poderá ser exercido, unicamente, por diplomados nessa especialidade das ciências humanas. “Amplia a atuação em outros setores sociais”, disse. O projeto, no entanto, já havia sido postulado em 2009 quando sofreu alterações pelos parlamentares, retornando, assim, para a pauta dos senadores.

Segundo o texto aprovado, poderá exercer a atividade de historiador quem tiver diploma de curso superior, mestrado ou doutorado em história; diploma de mestrado ou doutorado obtido em programa de pós-graduação reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) com linha de pesquisa dedicada à história; e profissionais diplomados em outras áreas que comprovarem ter exercido a profissão de historiador por mais de cinco anos a contar da data da promulgação da futura lei. Com isso, Ana Luiza pondera que, a partir da data de vigor da lei, a busca profissional pela carreira deve ser maior, visto que o curso do qual integra o quadro docente é o único da região e Passo Fundo abriga duas instituições guardiãs da memória na figura do Arquivo Histórico Regional (AHR) e Instituto Histórico de Passo Fundo (IHPF). “Isso vai levando a um levantamento da história regional”, avaliou ela sobre a formação de novos historiadores. “Esse reconhecimento é bastante simbólico”, pontuou ainda.

Ampliação do mercado de trabalho

Ora associada somente à carreira do magistério no ensino fundamental e médio da rede pública e privada de ensino, o profissional historiador, pelo texto que embasa a justificativa da regulamentação, poderá, agora, planejar, organizar, implantar e dirigir serviços de pesquisa histórica; assessorar, organizar, implantar e dirigir serviços de documentação e informação histórica. Ele também poderá elaborar pareceres, relatórios, planos, projetos, laudos e trabalhos sobre temas históricos.

O projeto exige, ainda, registro profissional junto à autoridade trabalhista competente. Já as entidades que prestam serviços em história deverão manter historiadores legalmente habilitados em seu quadro de pessoal ou em regime de contrato para prestação de serviços.

Gostou? Compartilhe