Campanha solidária arrecada produtos de higiene

Por
· 1 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

A Liga Acadêmica de Ginecologia, Obstetrícia e Sexologia da Universidade de Passo Fundo (Lagos/UPF) promove campanha solidária para arrecadar produtos de higiene para jovens em vulnerabilidade social. A campanha de combate à pobreza menstrual arrecada absorventes, sabonetes, calcinhas, escovas e pastas de dente, desodorante, shampoo, condicionador e papel higiênico. A iniciativa é uma parceria entre a Lagos/UPF com apoio das Farmácias São João. As doações podem ser feitas até o dia 13 de junho.

A campanha de combate à pobreza menstrual surgiu com a percepção de que diversas meninas, em seu período menstrual, acabam não indo à escola por falta de produtos de higiene. Além disso, há muita desinformação sobre o assunto. “Existem muitas crenças errôneas que perpetuam há anos sobre a menstruação. Muitas meninas acham que não podem lavar os cabelos na época do período menstrual, por exemplo. Existe uma estimativa, inclusive, que diz que a mulher gasta no mínimo de 3 a 8 mil reais em absorventes ao longo da vida”, observa a acadêmica do curso de Medicina, Laura Paggiarin Skonieski, presidente da Lagos.

A “Pobreza menstrual” é uma condição enfrentada por inúmeras brasileiras, principalmente aquelas em situação mais vulnerável, pelo fato dessa parcela populacional não conseguir comprar absorventes e também de não ter acesso à informação adequada e infraestrutura para o manuseio de sua higiene menstrual.

As doações podem ser entregues nas farmácias São João, na loja matriz (próximo à praça do Teixeirinha, na Avenida Brasil), e nas existentes na Teixeira Soares (ao lado do Centro de Diagnósticos do HSVP e ao lado do Rock’s Café), bem como no Ambulatório de Especialidades da UPF ou na Faculdade de Medicina da Universidade. As primeiras doações arrecadadas serão destinadas para o Lar da Menina da Fundação Lucas Araújo, que atende cerca de cem meninas entre 14 e 15 anos, em situação de vulnerabilidade social.

Gostou? Compartilhe