APAE inova no tratamento das pessoas com deficiência com Sala Multissensorial

O método terapêutico é inédito na cidade de Passo Fundo e contou com recurso do Fumdica

Por
· 1 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

A APAE de Passo Fundo vem ao longo dos anos investindo em tecnologias e métodos terapêuticos para o desenvolvimento da autonomia das pessoas com deficiência intelectual e/ou múltipla e Transtorno do Espectro Autista (TEA). A iniciativa mais recente é a criação da Sala Multissensorial. O espaço, recém-inaugurado, estimula os sentidos primários como o toque, o paladar, a visão, o som, o cheiro, sem existir a necessidade de recorrer às capacidades intelectuais dos indivíduos.

O local beneficiará aqueles usuários que não são capazes de organizar e responder adequadamente a estímulos sensoriais por não terem adquirido ou por terem perdido tais competências devido a síndromes e patologias. Em geral, são crianças e adolescentes com comportamentos mais agressivos, agitados ou apáticos. A coordenadora da política de Saúde da APAE, Iriana Bertoldi Fernandes, explica que o objetivo é oferecer um ambiente agradável, com sons, efeitos luminosos, aromas, experiências táteis, massagens e vibrações, para proporcionar aos atendidos uma autorregulação, sempre visando a qualidade de vida e autonomia deles. “É uma sala onde a gente consegue trabalhar de forma multiprofissional. Além de ser um tratamento único, ela também complementa desde a estimulação precoce, que conseguimos fazer intervenções, até os outros tratamentos dentro da instituição”, destaca Iriana.

A coordenadora frisa que a sala foi pensada para atender pessoas com TEA, mas não é restrita aos usuários da Saúde, a ideia é que ela contemple os alunos da escola especial, bem como os frequentadores das oficinas da Assistência Social, que são adultos. “Ela não tem limite de idade e de criatividade, todos vão poder utilizá-la”, argumenta a profissional.

A Sala Multissensorial é toda branca para que o usuário tenha noção da dimensão do espaço e dos dispositivos sensoriais. Fazem parte do ambiente equipamentos estimulantes como fibra óptica, piscina terapêutica de bolinhas com LED, painel aromaterapia, coluna de bolhas, projetor de estrelas, piso interativo com projetor, tela interativa e mesa terapêutica digital. O espaço foi desenvolvido com recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fumdica). Segundo a diretora Administrativa da instituição, Eliana Teresinha Lisboa dos Santos, foram aplicados R$ 63 mil na aquisição de equipamentos. Cerca de 15 profissionais das políticas da Saúde, Assistência Social e Educação da APAE participaram de uma capacitação internacional com a ZenSenses Terapia pelos Sentidos, de Portugal.


Gostou? Compartilhe