Arte fora do pedestal

Instalação ?EURoeUm lugar no museu?EUR?, criada pelo artista Sandro Ka a partir de uma residência de quatro dias no Museu de Artes Visuais Ruth Schneider, questiona o que pode ou não ser considerado arte

Escrito por
,
em
Artista Sandro Ka, que assina a exposição, ao lado da curadora Luciane Campana

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

É na combinação inusitada de objetos sem nenhuma ligação óbvia entre si, tirados do cotidiano de lares e lojas populares, que o artista porto-alegrense Sandro Ka encontra espaço para refletir acerca da arte e dos seus valores. Unidos de maneira pouco convencional, brinquedos e souvenirs, por exemplo, ganham espaço expositivo ao lado de ícones da história da arte, atribuindo-lhes novos significados e botando em cheque as convenções sociais que definem como pode ser interpretado o conceito “obra de arte”. Em Passo Fundo, o trabalho do artista pode ser visitado até o mês de fevereiro no Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS), por meio de três exposições simultâneas, que integram o projeto “Um Lugar no Museu” e têm entrada gratuita. A proposta surgiu a partir de uma imersão artística – em outubro deste ano, Sandro habitou os espaços do museu durante quatro dias a fim de conhecer o acervo e seus modos de interação com a cidade, propor ações e rever a própria produção.

A iniciativa é inédita no MAVRS. Conforme explica a curadora da instalação, Luciane Campana, essa é a primeira vez que um artista é autorizado a ocupar o museu a fim de sentir-se parte do espaço e, a partir disso, construir algo único. “O convite para essa residência, com cara de ocupação e forma de exposição, surgiu a partir de conversas com a Luciane. Havia um desejo, por parte da curadoria, de que o ‘artista pudesse viver o museu, não simplesmente ir lá e montar uma exposição’, como acontece na maioria das vezes. Ainda de modo embrionário, havia o interesse de ativar o espaço do museu como um lugar vivo, aberto à experimentação”, explica Sandro.

Enquanto o museu desejava abraçar novas ideias, o artista, por outro lado, se interessava por expandir e experimentar noções de montagem e justaposição, por serem objetos de suas investigações. “Eu queria experimentar propor arranjos e composições a partir do espaço físico do museu e de sua coleção, inicialmente, além de mostrar obras da minha coleção que poucas vezes haviam sido expostas. A partir do momento que cheguei no espaço, levando algumas ideias de trabalhos e formas de exposição é que as três proposições artísticas ganharam forma. [Nelas], penso que minhas escolhas de materiais e objetos comuns, manipulados e reorganizados pela via da ironia e do humor, questionem lugares do que pode ou não ser arte, de quem decide quando é arte e também quem faz arte”.

 “Coleção”

Em “Um Lugar no Museu”, Sandro reúne três exposições com propostas distintas, mas que se unem pelo aspecto de coletividade que as perpassa. A primeira delas, "Coleção", expõe obras elaboradas entre 2007 e 2017, a partir da associação de objetos cotidianos como bibelôs e brinquedos, em inusitadas e enigmáticas situações. O porto-alegrense explica que suas escolhas perpassam por objetos que são familiares, que fazem parte da vida de qualquer pessoa com um contexto cultural em comum e que, de certo modo, carregam uma bagagem de significados agregados.

Em novas composições, Sandro argumenta que esses elementos passam a sugerir novas informações, que dependem tanto do artista que propõe quanto do espectador que vai interagir com o trabalho. “Se por um lado a familiaridade é uma chave de aproximação entre público e obra, o estranhamento, o embaralhamento de informações é uma cilada para percepção”, comenta. É a partir deste ponto, segundo ele, que surgem proposições de novas formas de relação entre aquilo que se conhece e aquilo que pode vir a ser, produzindo novos sentidos, leituras e formas de relação com o mundo e com as coisas.

 “A Grande Paisagem”

A segunda exposição, "Ainda Paisagem", é uma instalação elaborada a partir de peças de quebra-cabeças com estampas variadas, vindas imagens de pôsteres de cenários kitsch. Nesta, Sandro propõe combinações inesperadas, montando os quebra-cabeças de acordo com elementos em comum, ao invés de organizar as imagens da maneira original com que apareciam nos quadros. Uma espécie de exercício de metalinguagem que converge para a montagem inédita “A Grande Paisagem”, elaborada de forma colaborativa e que tem como fio-condutor o desejo de se criar uma obra única, a partir de pinturas, desenhos e fotografias com o tema da paisagem.

Por meio de peças emprestadas por cerca de quinze colaboradores da comunidade, Sandro amplia as reflexões ao questionamento: “quem faz arte?”. “Eu resolvi propor, de forma bastante insegura, a criação de uma grande composição, na forma de instalação, a partir do envolvimento com a comunidade. Para isso, fizemos um chamamento público convidando artistas, colecionadores e pessoas comuns, com quadros de paisagem em casa, que pudessem emprestá-los para participar de um trabalho artístico. Para minha felicidade, deu certo. Mais do que uma contribuição, o trabalho ampliou possibilidades e questionamentos para se pensar no lugar da arte na nossa vida, nas nossas casas, nos museus e nos nossos afetos. Também tensionou o lugar do artista enquanto propositor e do participante enquanto criador".

 

Visitação

A comunidade pode conferir as exposições até fevereiro de 2020, de terça a sexta-feira, das 9h às 17h30min, e aos sábados, das 13h30min às 17h30min.

 

 

Gostou? Compartilhe