Cinema negro em debate

No Mês da Consciência Negra, Casa de Cultura Vaca Profana promove reflexões sobre racismo através da linguagem cinematográfica

Por
· 2 min de leitura
Filme ?EURoeCorra!?EUR?, do diretor norte-americano Jordan Peele, será exibido nesta quarta-feira (13)Filme ?EURoeCorra!?EUR?, do diretor norte-americano Jordan Peele, será exibido nesta quarta-feira (13)
Filme ?EURoeCorra!?EUR?, do diretor norte-americano Jordan Peele, será exibido nesta quarta-feira (13)
Você prefere ouvir essa matéria?

Três produções cinematográficas produzidas e interpretadas por artistas negros ganham espaço no telão da Casa de Cultura Vaca Profana nas próximas quartas-feiras deste mês. As exibições integram a mostra “Cine Novembro Negro”, que visa promover, por meio da linguagem cinematográfica, um espaço de reflexão e debate sobre questões ligadas à negritude. A programação inicia nesta quarta-feira (13), às 19h30min, com o filme “Corra!”, do diretor norte-americano Jordan Peele. Há exibições previstas também para os 20 e 27 de novembro.


Como explica uma das organizadoras do coletivo Vaca Profana – que promove o Cine Novembro Negro em parceria com o Coletivo Manifesto e o projeto de extensão Ponto de Cinema –, Mariah Teixeira, o projeto nasceu de uma percepção da necessidade de iniciativas no município que contemplassem uma maior variedade de vozes e trouxessem representatividade. “A ideia é justamente ter um espaço de debate no mês da consciência negra, com produções que não somente abordem essas questões, mas que também tenham sido produzidas por pessoas negras”, explica.


No primeiro encontro, por exemplo, quando o Cine Novembro Negro promove a exibição do filme “Corra!”, o público é convidado a assistir a história de Chris, um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose. A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador. “Nossa intenção é abrir um espaço de reflexão para a comunidade, a partir de produções cinematográficas negras, sobre aspectos importantes da vida e da cultura negra durante a história, assim como sobre o racismo em seus mais diversos níveis de manifestação. Portanto, a mostra busca problematizar as questões étnico-raciais em nossa sociedade”, esclarece o especialista em Ciências Sociais e membro do Coletivo Manifesto, Róbson Peres da Rocha.


Questionado sobre a importância de contar com espaços voltados ao tema justamente no Mês da Consciência Negra, Róbson destaca que se trata de um período de reflexão e transformação prática da estrutura social. “Esse espaço se torna importante na medida em que busca criar um ambiente democrático para o debate em torno das questões raciais. Desse modo, utiliza o cinema como ferramenta ilustrativa e o diálogo como meio prático de transformação social. A importância está em naturalizar a presença do negro como protagonista em nossa sociedade, tanto na atuação como na produção cinematográfica, equilibrando a balança desigual entre o mundo cotidiano e mundo imagético que ainda mantém as telas embranquecidas. Diferentemente de outras mídias, o cinema em algumas oportunidades, propicia aos negros a possibilidade de aparecerem em situações de poder, desmistificando as representações históricas do senso comum que os marginalizam e subalternizam”.


Programação
O Cine Novembro Negro acontece na Casa de Cultura Vaca Profana, nos dias 13, 20 e 27 de novembro, sempre às 19h30min. A entrada custa R$ 5. A programação inclui a exibição dos longas “Corra!”, no dia 13, e de “Faça a Coisa Certa”, no dia 20. A agenda do dia 27 ainda não foi confirmada.

Gostou? Compartilhe