Passo Fundo terá fábrica de guindastes

A norte-americana Manitowoc Crane Group pretende instalar na cidade a primeira indústria de guindastes de altíssima tecnologia do país. Investimento ronda os R$ 70 milhões com faturamento de R$ 2,7 bilhões em cinco anos

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Daiane Colla/ON

Depois de mais de seis meses de negociações, visitas e acordos, ontem à tarde, Passo Fundo conheceu seu mais novo investimento. A norte-americana Manitowoc Crane Group entregou carta de intenções de investimentos ao governo gaúcho. A empresa pretende investir R$ 70 milhões em uma unidade fabril em Passo Fundo com tecnologia na fabricação de guindastes pesados, que serão comercializados em toda a América Latina.

Em uma área de 45 hectares no distrito industrial, a Manitowoc pretende instalar sua primeira fábrica de guindastes de alta tecnologia na América do Sul. A empresa irá produzir guincho alto propulsor – sem igual no Brasil – além de guindastes de torre e para caminhões. “Estamos imensamente satisfeitos pelo desfecho desta negociação e pela escolha da empresa por Passo Fundo”, comemorou o prefeito Airton Dipp, juntamente com os diretores da empresa, o secretário de Desenvolvimento, Marcos Cittolin, o vice-prefeito Rene Cecconello e o presidente da Câmara de Vereadores, Luiz Miguel Scheis.

A decisão por Passo Fundo é reflexo da política de desenvolvimento industrial da prefeitura, que apoia o projeto e forneceu um pacote de incentivos para que a fábrica se instale no município. Trata-se de um marco na história da região, que caminha para se tornar um novo pólo metalmecânico no Rio Grande do Sul.

Para o vice-presidente executivo da Manitowoc, Lawrence Weyers, esta é a hora de retribuir ao Brasil tudo o que este país já concedeu em bons negócios para a empresa, que está presente no mercado brasileiro há 20 anos. Ele relatou que o forte trabalho de convencimento do prefeito Airton Dipp foi um dos principais responsáveis pela escolha da cidade como sede da indústria. “Temos certeza que seremos bem sucedidos neste empreendimento em Passo Fundo e traremos bons negócios para esta cidade que nos acolhe”, afirmou.

A carta de intenções entregue pela Manitowoc é apenas o primeiro passo para a instalação da indústria. O governo do estado, juntamente com as secretarias da Fazenda e do Desenvolvimento, analisa os pedidos feitos pela empresa. Dentre as solicitações está a isenção de ICMS de importação dos equipamentos para montagem dos produtos. Em reunião na semana passada, Dipp afirma que o governador Tarso Genro já garantiu que as exigências serão cumpridas. “Acreditamos que dentro de 30 dias possamos confirmar a instalação da empresa”, observa. A prefeitura concedeu 10 anos de isenção no pagamento do IPTU, a área para instalação, terraplenagem e pavimentação asfáltica.

Reflexos
Os reflexos do investimento na economia ainda são difíceis de precisar, segundo Dipp. A empresa deve iniciar as operações a partir de 2012, com previsão de faturamento inicial de R$ 400 milhões e geração imediata de 200 empregos diretos. Nesse período, a Manitowoc importará todos os componentes e realizará a montagem dos guindastes em Passo Fundo. Daqui eles serão exportados para toda a América Latina. O porto de Rio Grande deverá ser o portão de entrada da matéria prima e de peças para a montagem dos equipamentos, até que a produção esteja a pleno em Passo Fundo.

Até 2016 a previsão é que toda a tecnologia para a fabricação dos guindastes seja desenvolvida na cidade. Dessa forma, todos os equipamentos que compõe os guindastes e guinchos desenvolvidos pela Manitowoc serão produzidos no município, num dos maiores pólos metalmecânicos do país. Nessa fase a estimativa é que o faturamento da empresa ultrapasse os R$ 2,7 bilhões e 600 empregos diretos. “O valor é bastante significativo e nos dará retorno a médio e longo prazo”, observa o secretário de Desenvolvimento, Marcos Cittolin.

Com a unidade de Passo Fundo funcionando plenamente, as importações para a América do Sul serão reduzidas e a base da empresa no Brasil, que atualmente está instalada em São Paulo, será transferida para a cidade.

Mão-de-obra

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Passo Fundo, Ailton Araújo, afirmou que a cidade dispõe da mão-de-obra que a empresa necessita para dar início a fabricação dos guindastes. Com cursos técnicos no setor de metal-mecânica no SENAI e IFSul e também na UPF, a cidade deverá absorver grande parte da mão-de-obra necessária.

Sobre a Manitowoc
A Manitowoc Crane Group é uma empresa subsidiária da Manitowoc Company Inc., com sede na cidade de Manitowoc, Wisconsin, nos Estados Unidos onde opera desde 1902 no segmento de guindastes industriais assim como na produção de equipamentos para cozinhas industriais e refeitórios. Cotada na bolsa de Nova York desde 1971, a companhia possui 15 plantas industriais espalhadas entre Estados Unidos, Europa, Japão, Índia e China. Nos vários países onde opera, a Manitowoc ocupa posição de destaque em razão de sua tecnologia exclusiva.

Diretores visitam Passo Fundo

Na manhã desta terça-feira (18), o vice-presidente para a América do Sul e o diretor-presidente da Manitowoc no Brasil visitam a área de 45 hectares onde a empresa será instalada em Passo Fundo. O prefeito Airton Dipp e o secretário Cittolin acompanham os diretores.

Gostou? Compartilhe