Conhecimento técnico para aferir qualidade

Entre os diversos serviços oferecidos pela UPF, a Análise Sensorial auxilia as empresas a oferecem produtos qualificados ao consumidor

Por
· 1 min de leitura
Fotos: DivulgaçãoFotos: Divulgação
Fotos: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Uma ciência que utiliza os sentidos humanos como a visão, o olfato, o tato, o paladar e a audição para avaliar as características ou atributos de um produto. Essa é a Análise Sensorial, atividade que é oferecida pela Universidade de Passo Fundo (UPF), por meio do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos (PPGCTA). O serviço oportuniza treinamento e formação a profissionais para que atuem na melhoria dos produtos colocados no mercado. Para ter acesso ao treinamento, ministrado pela professora Dra. Luciane Maria Colla, as empresas podem entrar em contato com o Programa, pelo e-mail ppgcta@upf.br, ou com o Centro de Pesquisa em Alimentos (Cepa), pelo e-mail cepa@upf.br.

 Luciane explica que o treinamento é oferecido às empresas que queiram implantar equipes capacitadas para a análise sensorial, com foco no controle da qualidade de produtos e processos. Ela pontua que o trabalho é realizado por meio de um módulo teórico e prático, oferecido para equipes de 10 a 20 pessoas. O módulo teórico é feito através de ferramentas como o Google Meet, ou se a empresa preferir, in loco. Já o módulo prático é desenvolvido in loco.

 

Diferencial para a empresa

O controle da qualidade dos alimentos produzidos é um dos fatores primordiais para o sucesso das empresas da área. Para Luciane, o treinamento é fundamental. “O treinamento de equipes em análise sensorial dentro das empresas é fundamental para o controle de qualidade. A avaliação sensorial é um dos requisitos de controle e permite a verificação de problemas de processo de forma rápida, permitindo o feed back ao setor de produção da empresa. Entretanto, as equipes precisam estar bem treinadas para o reconhecimento do perfil sensorial dos produtos que a empresa produz”, salienta.

Entre os métodos utilizados estão os discriminativos, que buscam identificar as diferenças qualitativas e/ou quantitativas entre as amostras, e os descritivos, que descrevem de maneira qualitativa e/ou quantitativamente as amostras, observando pontos como odor, textura, aparência e sabor.

 Essas ações têm como objetivo avaliar os atributos sensoriais do produto, analisando a cor, o aroma, a textura e o sabor. De acordo com a professora, entre os diferenciais do serviço prestado pelo Programa está o fato de o setor estar inserido dentro de uma Universidade, permitindo a troca de experiências e a robustez de conhecimento técnico.


Gostou? Compartilhe