Daer inicia nova fase de vistorias em pontes e viadutos no estado

Por
· 1 min de leitura
Objetivo do programa é avaliar condições das estruturas e garantir a segurança de motoristas e pedestresObjetivo do programa é avaliar condições das estruturas e garantir a segurança de motoristas e pedestres
Objetivo do programa é avaliar condições das estruturas e garantir a segurança de motoristas e pedestres
Você prefere ouvir essa matéria?

O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), vinculado à Secretaria dos Transportes (ST), avança em mais uma etapa para a preservação das pontes e viadutos do Rio Grande do Sul. A partir desta segunda-feira (4), inicia uma nova série de vistorias no conjunto de 850 estruturas que estão sob jurisdição do órgão. “O foco principal é garantir a segurança de motoristas e pedestres, mas também queremos preservar as obras existentes, aumentando sua vida útil e evitando, sempre que possível, gastos desnecessários com novas construções”, explica o secretário dos transportes, Pedro Westphalen.

O trabalho é coordenado pela Superintendência de Obras de Arte Especiais (SOA) do Daer, que contratou uma empresa via pregão eletrônico por R$ 2,7 milhões. As atividades serão divididas em quatro regiões gaúchas: Norte, Sul, Leste e Oeste. As vistorias iniciam pelas pontes e viadutos que apresentam pior estado de conservação.

Segundo o diretor-geral do departamento, Rogério Uberti, os pontos que exigem maior atenção estão bem definidos graças ao Programa de Vistorias Expeditas. Ele foi elaborado pela SOA, com o apoio das 17 superintendências regionais da autarquia, entre 2014 e 2016. O resultado foi um raio-x das estruturas. “Com a conclusão do programa, houve melhoria na malha viária e permaneceram as vistorias constantes, especialmente em obras críticas e com idade avançada", afirma Uberti. O diretor acredita que a vistoria cadastral - como é tecnicamente chamada essa modalidade de inspeção - complementa e amplifica as ações que vêm sendo realizadas pelo órgão.

"Teremos técnicas e recursos que não estavam disponíveis, como drones e até a possibilidade de contratar mergulhadores. Será utilizado tudo o que for necessário”, acrescenta o dirigente. Para o superintendente da SOA, Ricardo Vuaden, avaliar as pontes e viadutos independentemente dos obstáculos existentes resultará em um panorama completo de cada obra, desde as fundações. O engenheiro civil diz que, além de ações de manutenção e melhorias, as informações levantadas podem resultar, inclusive, em mudanças nas classes das pontes e viadutos.

“Teremos dados geométricos sobre pontes do século passado, construídas numa época em que as características do trânsito eram totalmente distintas. Agora, por meio dessa atualização, saberemos as reais condições e teremos ferramentas para decidir o que deve ser feito em cada uma delas”, destaca. 

Fonte: Governo do Estado

Gostou? Compartilhe