Estado articula programa de vigilância sanitária das fronteiras

Intenção é evitar reintrodução da aftosa

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) reuniu, na quarta-feira, representantes de forças de segurança estadual e nacional e do setor produtivo para a articulação em torno do Programa de Vigilância de Fronteira – Sentinela, que será implementado para evitar a reintrodução do vírus da febre aftosa. O aumento da presença do Estado nas fronteiras com Uruguai e Argentina tem como objetivo garantir a sanidade do rebanho de bovinos e bubalinos quando da evolução do status sanitário do Estado para livre de aftosa sem vacinação.

O Rio Grande do Sul tem reconhecimento internacional como zona livre de febre aftosa com vacinação desde 1998. Com movimentos do Estado para a retirada da vacina, a região de fronteira é apontada em análise multicritério da UFRGS como de maior risco.
O Programa Sentinela foi construído para mitigar o risco de introdução de animais suscetíveis à febre aftosa de forma ilegal no território gaúcho, de produtos, subprodutos e objetos ou substâncias com potencial de contaminação, e difundir informações de medidas de biosseguridade, prevenção e controle de rebanhos nas propriedades da região.
Integração será vital
O programa tem área de abrangência de 50 quilômetros da faixa de fronteira, envolvendo 59 municípios nas fronteiras com Uruguai e Argentina, com 64.842 propriedades rurais e rebanho de 4,4 milhões de cabeças. A metodologia de trabalho prevê distribuição das equipes e gerenciamento das atividades em quatro blocos – Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja e Santa Rosa.

Gostou? Compartilhe