Gabinete de Crise recebe três recursos ao mapa preliminar da 41ª rodada do Distanciamento Controlado

O mapa definitivo será divulgado no portal de notícias do governo do Estado às 16h30 de segunda-feira (15)

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O governo do Estado recebeu, até as 6h30 deste domingo (14), três pedidos de reconsideração ao 41º mapa preliminar do Distanciamento Controlado. Todas as solicitações foram encaminhadas por associações de regiões classificadas em bandeira vermelha, que pedem mudança para laranja.

O mapa preliminar desta rodada, divulgado na sexta-feira (12), traz 16 regiões em bandeira vermelha e apenas cinco em laranja – Bagé, Caxias do Sul, Ijuí, Pelotas e Santa Rosa. Esse resultado reflete o alto risco para esgotamento da capacidade hospitalar e a velocidade de propagação do vírus no Estado.

Foto: Governo do Estado do Rio Grande do Sul/Divulgação


Carnaval

Neste Carnaval, a população deve seguir respeitando os protocolos, principalmente quanto à higienização constante das mãos, evitar aglomerações e o uso obrigatório de máscara em todas as bandeiras. As festas de Carnaval, como lembrou o comunicado do governo estadual, estão proibidas, uma vez que não atendem aos protocolos mínimos de segurança sanitários.

Os pedidos de reconsideração serão analisados pelo Gabinete de Crise. O mapa definitivo será divulgado no portal de notícias do governo do Estado às 16h30 de segunda-feira (15). A vigência das novas bandeiras vai de 16 a 22 de fevereiro.

Caso a classificação prévia seja mantida, as 16 regiões em bandeira vermelha que aderiram ao sistema de cogestão regional podem adotar os protocolos próprios compatíveis até o nível de restrição da bandeira laranja. O Rio Grande do Sul tem 19 das 21 regiões em cogestão – Guaíba e Santa Maria são as exceções e devem seguir os protocolos de bandeira vermelha estabelecidos pelo Estado. A região de Uruguaiana aderiu à cogestão nesta semana.

As cinco regiões classificadas em laranja podem utilizar protocolos de bandeira amarela, se estiverem previstos e atualizados nos seus planos regionais.

*Com informações da Agência EstadoRS

Gostou? Compartilhe