OPINIÃO

Reminiscências – Cine Teatro Vera Cruz

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

As matinês no Cine Teatro Vera Cruz ainda estão muito vivas na lembrança de todos aqueles que, como este escriba, já passou dos sessenta. A sala do cinema instalado em frente à Praça General Flores da Cunha, no centro de Getúlio Vargas, tinha capacidade para 700 pessoas, incluindo o mezanino. Seu nome foi inspirado nos Estúdios Vera Cruz, criado no ano de 1949, no Rio de Janeiro. Tendo como referência o cinema norte-americano, a Vera Cruz foi antecedida por outras iniciativas, mas, sem dúvida, foi o divisor de águas na indústria cinematográfica nacional. A transição da infância para a fase adulta era o passaporte de acesso à sala de espetáculo nas noites de domingo, que exibiam duas sessões. Como nas demais cidades que contavam com um ou mais cinemas, as cortinas vermelhas do cinema local também se abriam e fechavam nos demais dias da semana.

 

II - Por muitas décadas a gerência do cinema esteve a cargo do severo Arnaldo Bianchi. Diferentemente do sisudo gerente (para os que ainda não conheciam sua imensa generosidade), a esposa Rosinha atendia junto ao bomboniere com o habitual sorriso. O nome afrancesado do espaço destinado à venda das balas Berbau e Chita, dos confeitos de amendoim Bis, e de Mentex, os mais consumidos, não podia ser mais adequado ao ambiente. A decoração contava com lustres de cristal, espelhos com moldura bisotê, elegantes estofados vermelhos de parede e circular, além das escarradeiras de bronze, que então eram utilizadas apenas para descartar os invólucros dos doces e bitucas de cigarro. Duas portas de vai e vem davam passagem à antessala, também espelhada, e, em lados opostos, as toaletes feminina e masculina indicados em neon. Para a sala principal duas portas e duas cortinas, fechadas quando as luzes apagavam para o início da projeção, e abertas próximas do The End.

 

III - Dependendo do filme em cartaz, a fila para a compra de ingresso podia se estender até a Sapataria Gaúcha. Para as películas do Teixerinha era certo que passava das Casas Pernambucanas, e podia chegar à esquina do Posto Texaco. Mas a irritação passava ao chegar à bilheteria, atendida pela Dona Angelina Agassi. Na sala de projeção, as duas máquinas Philips 35/70mm a carvão foram operadas, durante décadas, por José Luzzer. Foi ele que ensinou o ofício a Paulo Cogo, que, por sua vez, repassou o métier a Silvio Eugênio Ponzoni e Idalino Guizzo. A Guerra dos Samurais, série documental sobre o período Sengoku, um dos mais importantes da História Japonesa, que assisti na Netflix nesta semana, e na prazerosa leitura da autobiografia de Woddy Allen, avivaram estas lembranças. Foram os cinemas de calçada e ficaram os dos shoppings e a plataforma streaming. E, também, os trabalhos de gênios como Ingmar Bergman, Pedro Almodóvar, Ettore Scola, Hector Babenco, Kleber Mendonça Filho e Fernando Meirelles, para citar apenas meia dúzia.

 

 

Curtas:

# Na sessão ordinária da Câmara de Getúlio Vargas realizada na noite de quinta-feira (25), entraram na pauta três projetos de lei do Executivo, um projeto de lei acompanhado de parecer e um pedido de providências.

# No projeto 040/21 o Exe-cutivo pede autorização para alienação de bens móveis, devidamente avaliados, mediante licitação na modalidade de leilão.

# Dentre os bens devem ser leiloados caminhões, caminhonetes, automóveis, ambulâncias, trator, moto e micro-ônibus.

# De igual modo, dois aparelhos de solda, sucatas de metal, móveis e material eletrônico, bem como um carroção com caçamba e eixo Mercedes.

# O automóvel mais barato, um Fiat Prêmio, está avaliado em R$ 1.000,00, e o mais caro, um VW Polo, em R$ 15.500,00.

# Um trator New Holland, 2004, irá a leilão com o lance inicial de R$ 25.000,00, um caminhão VW 7.90, 1990, por R$ 20.500,00, e uma ambulância Peugeot/Boxer, 2009, por R$ 21.000,00.

# O pedido, assinado pelo vereador Sérgio de Lima (PTB), pede providências às Secretarias do Meio Ambiente e das Obras para que façam a limpeza dos rios da área urbana.

# Titular da Pasta das Obras nas duas últimas administrações, o vereador Lima é suplente do atual secretário Titi Zambrzycki (PTB).

# O pedido formal ao correligionário deve ter sido feito pessoalmente, mas a visibilidade da iniciativa via Câmara de Vereadores tem maior alcance.

# Castigada no passado não tão recente pelas cheias do Rio Abaúna, a limpeza do rio e dos arroios que cortam a cidade estão entre as medidas preventivas.

# Em que pese ter se estabelecido em Getúlio Vargas há menos de duas décadas, o vereador Lima conhece bem o assunto e sabe que este é o período exato para a realização do serviço.

Dito & Feito:

A retomada das obras da unidade urbana do IFRS – Campus Sertão foi à pauta do encontro realizado na sede da instituição na tarde de terça-feira (23). Estratégias para alavancar recursos para a conclusão das obras foram debatidas na reunião que contou com as presenças do prefeito Edson Luíz Rossatto (MDB), do vice-prefeito Valmir Bocalon (MDB), o Secretário da Administração, Edinei Rodrigues Pavão, bem como do Diretor-Geral do campus – Odair José Spenthof, o Diretor de Desenvolvimento Institucional – Welington Rogério Zanini e o Coordenador do Departamento de Extensão – Sergiomar Theisen.

Gostou? Compartilhe