Mulher é assassinada pelo genro no Jaboticabal

Sílvia Aparecida de Miranda, de 36 anos, participava do projeto Mulheres da Paz, que combate a violência

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O 37° homicídio do ano de 2012 em Passo Fundo aconteceu durante a noite de quinta-feira (25), na Rua Valter Vargas no bairro Jaboticabal. Sílvia Aparecida de Miranda, de 36 anos foi morta a facadas pelo genro. A vítima teria ido até a casa do acusado, onde estava a filha dela, de 19 anos, sendo mantida no local contra a vontade. Após uma discussão, Sílvia teria sido esfaqueada no tórax.
Conforme o relato de outra filha da vítima, Sílvia ainda conseguiu correr até a casa em que morava, na mesma rua, porém acabou caindo nos braços de uma vizinha. Ela foi socorrida por duas vizinhas que a levaram até o Hospital São Vicente de Paulo para atendimento médico, porém, durante a madrugada faleceu em função do ferimento, que perfurou o coração e um dos pulmões.

A Brigada Militar foi acionada para atender à ocorrência e quando a guarnição chegou ao local Sílvia já havia sido socorrida.
Também segundo a filha de Sílvia, o genro já havia demonstrado sinais de agressividade. “Quando ela ficava sabendo que ele agredia a minha irmã ela sempre intervia. Ela sempre esperou que ele fosse melhorar, mas ele já havia, inclusive, ameaçado ela de morte”, disse.
O acusado, de 20 anos, fugiu logo após o crime e não foi mais localizado. A Equipe de Homicídios da 1ª Delegacia de Polícia, coordenada pela delegada Daniela de Oliveira Mineto e pelo chefe de investigações Volmar Menegon ouviu as testemunhas ainda durante a manhã de sexta-feira (26). De acordo com Menegon, o advogado do acusado entrou em contato informando que ele deverá se apresentar na delegacia na segunda-feira (29).

Vítima lutava contra a violência
Sílvia fazia parte do programa Mulheres da Paz, que atuam em bairros e comunidades com altos índices de violência como promotoras de uma cultura de paz. No velório, além das colegas do projeto, muitos amigos e familiares estiveram presentes, em uma demonstração de como ela era querida pela comunidade. “Ela foi morta em um Território da Paz, lutando para que a paz existisse”, disse uma amiga.
O bairro Integração, do qual faz parte o bairro Jaboticabal, é uma das regiões de Passo Fundo em que houve a implantação do Programa Território da Paz, em que a Brigada Militar atua de forma mais presente no combate à criminalidade. Dentre as colegas de Sílvia, o sentimento era de revolta. “É muito difícil para nós aceitarmos isso. Ela era uma pessoa muito guerreira, estava sempre lutando junto. É muito triste ver que isso aconteceu dentro do Território da Paz. Queremos que este homem que tirou a vida dela pague por isso”, disse Geni Galupo, também membro do Mulheres da Paz.

Durante o velório, as colegas de Sílvia depositaram pétalas de rosa sobre o corpo da vítima e carregavam cartazes e rosas brancas. Na segunda-feira as participantes do projeto planejam uma manifestação em frente à 1ª DP durante a apresentação do acusado.

Gostou? Compartilhe