Condenada dupla que manteve reféns após roubo de carro e troca de tiros com a polícia

Os crimes foram cometidos em Erechim no ano passado

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Em sessão realizada na última quinta-feira, 25, o Tribunal do Júri da Comarca de Erechim julgou dois dos principais membros de organização criminosa armada, Cristiano Alberto Onetta e Nelson Luis Theodoro. Na audiência, que se estendeu por 18 horas, os réus foram condenados pela prática de quatro tentativas de homicídio contra policiais civis de Erechim, pelo delito de roubo majorado, além de cinco sequestros. A pena total para cada um foi de 32 anos e 08 meses de reclusão. A acusação ficou a cargo da promotora de Justiça Stela Bordin.

 

Os crimes

O Conselho de Sentença acolheu integralmente a tese da acusação. Os crimes foram cometidos em 22 de fevereiro de 2017, após roubo de um veículo, na fuga do local, os réus se depararam com a viatura da polícia civil e atiraram contra os policiais, atingindo a viatura com um tiro. Os policiais, em defesa, revidaram os disparos e atingiram os acusados e o veículo de raspão.

 

Na sequência, os réus invadiram uma propriedade rural e fizeram cinco membros da família de reféns, apontando-lhes armas de fogo e realizando ameaças. Entre os reféns, havia uma criança de três anos de idade. Após o cerco à residência por policiais civis e militares e negociação com a Brigada Militar, os acusados se renderam.

 

Reconhecimento do crime

A promotora de Justiça Stela Bordin considerou “um grande veredito da sociedade Erechinense, representada pelo Conselho de Sentença, o reconhecimento de que a conduta dos acusados de efetuar disparos de arma de fogo contra os policiais, fazendo mira na viatura, constitui o crime de tentativa de homicídio”.

Gostou? Compartilhe