Operação Guerra e Paz cumpre mandados em reserva indígena

350 policiais federais, militares, civis, agentes da SUSEPE e integrantes do Corpo de Bombeiros participam da ação

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Polícia Federal deflagroui, nesta manhã (01/07), a Operação Guerra e Paz, para coibir conflito indígena e investigar crimes ocorridos no ano 2021 na Reserva Indígena do Carreteiro, situada no município de Água Santa. A ação tem o apoio da Brigada Militar, da Polícia Civil, da SUSEPE e do Corpo de Bombeiros.

Participam da ação, 200 policiais federais, 130 policiais militares, 16 policiais civis, agentes da SUSEPE e integrantes do Corpo de Bombeiros, que cumprem 28 mandados de prisão preventiva e 49 de busca e apreensão nos municípios de Água Santa, Tapejara, Ibiaçá, Santa Cecília do Sul, Getúlio Vargas, Erebango e Passo Fundo.

A primeira fase da Operação Guerra e Paz, denominada Operação Carreteiro, foi deflagrada em setembro de 2020 e teve por objetivo efetuar a prisão de 21 indígenas e dar cumprimento à 30 mandados de busca e apreensão, em virtude de intensos conflitos travados entre grupos rivais na disputa pelo poder no interior da reserva indígena. A investigação da primeira fase resultou no indiciamento de 31 indígenas pelos crimes de constituição de milícia privada e de constrangimento ilegal.

No final de 2020, os indígenas que haviam sido presos na primeira fase obtiveram a liberdade e passaram a rearticular forças para tentar retomar o poder na terra indígena.

A partir de janeiro de 2021, os conflitos se intensificaram, com inúmeras tentativas de homicídio em confronto entre os grupos rivais, culminando com a morte de um indígena no dia 31 de janeiro, por disparo de arma de fogo. Posteriormente, outro indígena foi morto em confronto com a Brigada Militar.

As prisões e as buscas realizadas com a deflagração da Operação Guerra e Paz têm por objetivo fazer cessar a violência, trazendo tranquilidade e paz para a comunidade indígena e para os moradores do município de Água Santa, bem como coletar informações e provas que auxiliem na identificação dos autores e partícipes dos crimes.

São investigados os crimes de homicídio, constituição de milícia privada, lesões corporais, ameaças, vias de fato, incêndio criminoso, dentre outros.


Gostou? Compartilhe