Gestão Dipp deixa R$ 47 milhões para serem executados nos próximos dois anos

Prefeito apresentou balanço dos oito anos gestão

Por
· 4 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

O prefeito Airton Dipp apresentou um balanço sobre as principais ações dos oito anos de gestão durante reunião-almoço realizada ontem (11), por entidades empresariais. Bem humorado, o prefeito falou por uma hora para aproximadamente 150 pessoas, entre lideranças empresariais e políticas de Passo Fundo. A apresentação foi uma espécie de prestação de contas sobre o que fica concretizado, as ações em andamento e os empreendimentos futuros que já têm previsão orçamentária. Dipp frisou as prioridades de governo, estabelecidas ainda no primeiro mandato: geração de emprego e renda, educação e saúde. 

Os dados apresentados estarão detalhados em uma revista financiada pelos principais partidos do governo: PDT, PT e PSB. “Para que a gente não misture Prefeitura Municipal com publicidade no final do mandato”, esclareceu. O material será distribuído a partir da próxima semana. A captação de investimentos com atração de indústrias, os recursos do BID e do PAC 2, a instalação do IFSul e da Faculdade de Medicina (a ser concretizada em 2013), a garantia de melhorias no saneamento básico são as heranças que o prefeito considera fundamentais para Passo Fundo.

Sobre a política de captação, liderada pela Secretaria de Desenvolvimento, Dipp avaliou que o desempenho foi muito superior à média no Estado. O financiamento internacional, além dos recursos, abriu muitas portas no sistema financeiro do país e do exterior. “Se a Prefeitura não está organizada, se não existe expectativa de receita e as contas em dia, não se entra nesta captação de recursos, portanto o BID e o PAC são fundamentais”, ressaltou.
As instituições públicas federais de ensino trazidas para o município foram consideradas uma “quebra de paradigma” pelo prefeito. Do contrato com a Corsan, que assegurou investimentos em saneamento básico, Dipp ainda fez graça e arrancou risos dos ouvintes. “Este, ao invés de quebrarmos o paradigma, o paradigma nos quebrou. Todo mundo dizia que quem enterra tubos não se elege e eu achava que a gente iria eleger (para prefeito o Rene) Cecconello, não conseguimos”, concluiu.

Saldo do BID: R$ 30 milhões
Ainda não foi usada a maior parte dos recursos obtidos através do financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com contrapartida de 50% do Município. “Não é projeção, os recursos existem. Mas em função de todas as tramitações e licitações internacionais chegamos a este estado”. De acordo com o prefeito, dos R$ 40 milhões assegurados, apenas R$ 10 milhões foram investidos.

Dentro deste valor, a reformulação e revitalização do Parque da Gare também tem R$ 5 milhões já destinados. A elaboração do projeto da Plataforma Logística está em andamento, assim como o Plano Estratégico de Desenvolvimento, todos com recursos do BID. “Nestes dois planos estratégicos conseguimos convencer o Banco Interamericano a retirar e definir recursos para o setor de turismo, de modo a agilizar este processo. Possivelmente, na próxima gestão, haverá o desafio de buscar este filão econômico para Passo Fundo”, avaliou.

O valor restante do financiamento do BID deve ser destinado principalmente para a execução dos anéis viários. “Temos para os próximos dois anos R$ 30 milhões em obras e as principais continuam sendo o anel viário para a nossa cidade”, disse.

Saldo do PAC 2: R$ 17 milhões
Estão em execução as obras viárias no bairro Integração e grande Santa Marta, com recursos do PAC 2, do Governo Federal. Os valores somam R$ 25 milhões, com 5% de contrapartida, mas apenas R$ 7 milhões foram executados. “Estamos pavimentando 50% de todas as vias não pavimentadas. Além disso, está sendo feita a construção da calçada, esgoto fluvial e cloacal – que ficará com a canalização pronta para futura ligação à rede coletora”. A previsão é de que os investimentos nos bairros estejam concluídos dentro de até um ano e meio. “Temos 70% de obras a serem realizadas na Santa Marta e no bairro Integração. É uma tranquilidade isso”, assegurou o prefeito. O Plano Global de Saneamento Básico também foi contrato através dos recursos do PAC 2. O estudo está sendo feito pela Universidade de Passo Fundo (UPF).

Obras da Corsan
“O saneamento básico talvez tenha sido a principal obra de Passo Fundo e que vai continuar ainda mais um pouco. Ela foi suspensa no mês de dezembro em função do movimento do comércio e em janeiro deve ser concluída”, previu. Foram feitos 37 km de rede de água em substituição às antigas redes no último ano. Em valores a Corsan já aplicou R$ 6,6 milhões. Para o saneamento básico, dos 120 km que devem ser feitos até a metade de 2013, 90 km estão prontos e somam R$ 31 milhões investidos.

Pró-Transportes
Não está garantido, mas a administração municipal está adiantada na busca de recursos do Pró-Transportes. “A expectativa é muito positiva para que, talvez na metade de 2013, tenhamos a aprovação por parte do Governo Federal. É uma expectativa, mas Passo Fundo está na frente de outras cidades do país pelo trabalho que há anos vem sendo desenvolvido”, avaliou. Há 30 dias, segundo o prefeito, o Governo Federal sinalizou sobre vários projetos do país e Passo Fundo estaria incluso. Há um ano a Secretaria de Planejamento se debruça na busca de R$ 104 milhões. O valor seria utilizado somente para vias urbanas onde trafega o transporte coletivo.

Entidades promotoras
As entidades promotoras da reunião–almoço estiveram representadas à mesa por seus dirigentes: Acisa, Marco Antonio Silva; CDL, Zoila Medeiros; Sincomércio, Sueli Marini; Sinduscon, Émerson Rosa; Sindicato Rural, João Batista Silveira; Setracap, Izonir Canalli; Sindicato dos Contabilistas, Ricardo Chiodelli; Sindivest, Roque Colle; Celso Marcolan, Sincogêneros; vice-presidente da Agas, Sérgio Zaffari. Também compuseram a mesa o presidente da Câmara de Vereadores, Luiz Miguel Scheis, e o arcebispo Dom Antonio Carlos Altieri.

Gostou? Compartilhe