OPINIÃO

Prova de fogo

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Inimaginável! A expressão foi usada esta semana por um prefeito com quem conversei a propósito das medidas restritivas adotadas pelo Executivo no município que comanda.  Prefeitos de todo o país vivem uma prova de fogo em ano eleitoral. Estão obrigados a agir com o rigor que o cargo lhes confere diante da pandemia do coronavírus. Algo que o mundo vive sem similares na história da humanidade. A grande maioria se orienta pelas recomendações da OMS, Ministério da Saúde e governadores. Mas estão inseguros, porque as decisões, quaisquer que sejam, mexem drasticamente na vida dos cidadãos. E como disse o presidente da Famurs Eduardo Freire, a vida acontece nas cidades e é o endereço do prefeito a referência para buscar ajuda. Se apertam as restrições, focando em salvar vidas, sofrem com a pressão da economia e são acusados de gerar desemprenho e quebradeira. Se flexibilizam as medidas, são acusados de não estarem preocupados com a vida. Decisões difíceis, mas que devem ser pautadas pela visão técnica. É preferível, sempre, salvar vidas. Os negócios se recuperam.
 
Eleições

Pelo andar da carroagem, tudo indica que as eleições municipais serão mesmo realizadas neste ano. Existem duas possibilidades: manter o prazo atual, realizando o pleito em outubro; ou transferir para o fim do ano, entre novembro e dezembro. O TSE expressou até o momento que não há hipótese de prorrogação de mandatos. Há muitos prefeitos que preferem, mesmo que com um calendário apertado, realizar a eleição em outubro. Fica difícil levar para o fim do ano, porque coincide com o fechamento da gestão, prestão de contas , etc... A aposta é de que pandemia sofra um arrefecimento em julho, prazo legal para as convenções. A Campanha propriamente dita vai acontecer entre agosto e setembro.
 
Plano de retomada

O município de Passo Fundo já tem pronto o seu plano de recuperação econômica e a retomada gradual das atividades produtivas. A implementação depende das estatísticas da Covid-19 e das orientações que vem de cima (governos federal e estadual) Por enquanto, a orientação é ficar em casa, o que depende da consciência de cada um. As pessoas circulam nas ruas como se não estivesse acontecendo e isso preocuoa. O prefeito Luciano Azevedo, na coletiva de quinta-feira usou a seguinte frase para falar a respeito: “Nós estamos avisando as pessoas e pedindo para ficarem em casa. Mas nós não podemos amarrar as pessoas e obrigá-las a ficar em casa. Isso vai da consciência de cada um”.

Mudança
O PSDB não tem mais bancada na Câmara de Vereadores de Passo Fundo, como era previsto. Os vereadores Fernando Rigon e João dos Santos ingressaram no DEM e PSB, respectivamente. O PSB também ganhou o vereador Rudi dos Santos (que deixou o PcdoB), mas perdeu Gleison Consalter, que se filiou no PDT.
 
Recorde

O vereador Renato Tiecher, que estava sem partido, se filiou ao PSC, que tem com pré-candidato a prefeito Claudio Dóro. É a quinta vez que o vereador muda de partido. Um recorde na Câmara. Ele foi eleito pela primeira vez em 2012, pelo PCdoB. Em 2013 ingressou no Solidariedade (SDD). Na eleição de 2016, concorreu pelo PSB, mas foi expuldo. Se filiou no PSL e agora está no PSC.

Bancadas/Vereadores
PSB – 04
PDT – 03
DEM - 03
MDB – 02
PTB – 02
PP – 01
PSC – 01
PCdoB – 01
SDD – 01
Republicanos – 01
Cidadania – 01
PSD - 01


Descartado

O PP formalizou intenção de apoiar o PDT na eleição deste ano em aliança na chapa majoritária. Já a conversa entre PDT e DEM não avançou. Orientação da direção nacional do Democratas é não fazer alianças com os trabalhistas.

Retorno
Recém aposentado como médico do Estado, mas atendendo aos pacientes no consultório, Alberi Grande se prepara para retomar a vida política. Vai integrar a lista de candidatos a vereador do MDB. Qualifica a nominata por sua experiência de dois mandatos como vereador e também como secretário e Coordenador Regional da Saúde.

Fique em casa!
Para não incentivar o ódio e a ignorância, os maiores males da humaninidade nos tempos atuais, vamos apostar no etendimento entre o presidente Bolsonaro e o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandeta. Foco na ciência e fique em casa, se puder.

 

Gostou? Compartilhe