Trabalhadores dos Correios continuam em greve

Após derrota no STF, sindicatos decidiram manter a paralisação

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A greve nacional dos trabalhadores dos Correios completou ontem (25) uma semana. A paralisação segue sem previsão para encerramento. Em Passo Fundo, a adesão dos trabalhadores caiu para 70% e em outros municípios da região varia de 60 a 100%, de acordo com o sindicato. “A adesão continua firme e forte”, avaliou o diretor da subsede regional, Gelson Zapello.

Ontem (25) os Correios ajuizaram o Dissídio Coletivo de Greve no Tribunal Superior do Trabalho. “Tendo em vista não haver acordo com as entidades representativas, mesmo os Correios tendo se colocado à disposição para negociar o Acordo Coletivo de Trabalho 2020/2021”, disse a empresa em nota. A partir de agora, o Tribunal vai mediar a negociação por reajuste de salário dos empregados. O subdiretor da regional afirma que os trabalhadores estão aguardando a empresa negociar para voltarem ao trabalho. 

Na última semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a liminar concedida à empresa pelo Ministro Dias Toffoli que suspendeu a validade do Acordo Coletivo de Trabalho por dois anos, conforme a decisão do Tribunal Superior do Trabalho em 2019. Assim, o Acordo que seria válido até 2021 termina ainda em 2020. A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT) lamentou o resultado e afirma que a decisão assegura a retirada de 70 cláusulas do Acordo. “A decisão é um ataque aos direitos dos trabalhadores e fere a Constituição Federal e autonomia entre os tribunais”, disse a Federação em nota. “A gente perdeu essa luta, essa esperança para que não continuasse com a greve. Agora estamos com essa situação de aguardar a empresa negociar”, declarou o diretor da subsede regional. No sábado (22) a direção da FENTECT e os sindicatos decidiram pela “manutenção e ampliação do movimento”, de acordo com comunicado.

Atos

Os grevistas realizaram um ato em Getúlio Vargas. Durante a manifestação foram recolhidos e doados alimentos não perecíveis. Também está programado nacionalmente um ato para doação de sangue na quinta-feira (27). De acordo com Zapello, 14 trabalhadores da região estão inscritos para realizarem doações no Hospital São Vicente de Paulo.

Notícia atualizada às 08h12.

Ao contrário do que foi informado anteriormente pelo sindicato, as doações de sangue serão realizadas apenas no Hospital São Vicente de Paulo.

Gostou? Compartilhe