Sem loucuras e com bons resultados

Reeducação alimentar para garantir a saúde e manter o peso sob controle

Por
· 2 min de leitura
Fabrícia Perozzo é nutricionistaFabrícia Perozzo é nutricionista
Fabrícia Perozzo é nutricionista
Você prefere ouvir essa matéria?

 A proximidade do verão leva muitos a cometer loucuras para o emagrecimento. O início da primavera marca o aumento das matrículas nas academias e, em muitos casos, a busca por dietas mirabolantes com o objetivo de atingir uma perda de peso em tempo recorde para o verão. A nutricionista Fabrícia Perozzo explica que dietas rápidas e restritivas parecem funcionar por um instante, mas o peso geralmente é recuperado já que as pessoas não conseguem manter as restrições por muito tempo e começam a ocorrer deficiências nutricionais e as compulsões alimentares. Ela explica que o melhor caminho para manter a saúde e, por consequência, o peso sob o controle, é a reeducação alimentar que deve ser seguida pela vida inteira. “A reeducação é baseada em mudanças feitas na rotina alimentar diária para melhorar a qualidade de vida, promove um emagrecimento sem restrições alimentares com objetivo de manter essas mudanças para uma vida toda”, esclarece.

 Equilíbrio de nutrientes

No caso de pessoas que não possuem alergias ou restrições alimentares não existe a necessidade de restringir grupos alimentares. “Um organismo saudável se baseia no equilíbrio de todos os nutrientes. No momento que falta algum nutriente o organismo passa a tentar compensar essa deficiência, podendo surgir diversos problemas de saúde e também a compulsão alimentar”, comenta Fabrícia. De acordo com ela, o que se orienta é a troca de alguns alimentos por outros mais saudáveis, como os carboidratos simples pelos integrais, pão branco pelo integral, arroz branco por integral ou mandioca. “No caso de intolerâncias alimentares ou certo grau de sensibilidade por alguns alimentos, como a intolerância a lactose e celíacos, mais comuns hoje em dia, buscamos orientar a forma correta e as opções de substituições dos alimentos restritos para que o paciente não faça nenhuma restrição muito severa e acabe adquirindo outras deficiências nutricionais”, destaca a nutricionista.

Açúcar limitado

Apesar da necessidade de manter todos os grupos alimentares, Fabrícia ressalta que o açúcar refinado não precisa, e nem deve, fazer parte da alimentação. “O consumo de açúcar refinado pode trazer vários prejuízos à saúde, como a obesidade e diabetes. A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo de açúcar adicionado não ultrapasse 10% da necessidade energética diária, pois os carboidratos já nos fornecem boa quantidade de açúcar, sendo que vindo dessas fontes nos beneficiam também com o ganho de outros nutrientes”, frisa.

 

Sintomas da deficiência de nutrientes

- Problemas de pele: vitaminas do complexo B

- Dificuldades na visão: vitamina A

- Sangramento de gengiva: vitamina C

- Fraqueza muscular: vitamina E

- Cansaço, sono (anemia): ferro

- Cãibras: potássio, cálcio

- Queda de cabelo, unhas fracas: zinco

- Perda óssea: vitamina D

(Fique de olho nos sintomas. Caso se encaixe na descrição procure um médico ou um nutricionista.)

 

Dicas simples para manter um estilo de vida saudável

1- Troque as farinhas refinadas por integrais

2- Utilize carboidratos de índice glicêmico baixo: mandioca, batata doce e arroz integral

3- Consuma frutas, verduras e legumes

4- Diminua o consumo de alimentos industrializados

5- Beba água

6- Evite o uso de açúcar refinado

7- Consuma gorduras boas: abacate, castanhas, azeite de oliva extravirgem

8- Evite frituras. Prefira grelhados e assados

9- Coma devagar. Mastigue bem os alimentos

10- Evite ao máximo o excesso de sal. Prefira sal com teor reduzido de sódio: marinho, do Himalaia

11- Pratique atividade física regularmente

 

 

 

Gostou? Compartilhe