A importância da ingestão de cálcio

Após a menopausa há um grande risco de desenvolver a osteoporose

Por
· 1 min de leitura
Dra. Karen Oppermann Lisbôa é médica ginecologista e integra o Corpo Clínico do HSVP Crédito: Dra. Karen Oppermann Lisbôa é médica ginecologista e integra o Corpo Clínico do HSVP Crédito:
Dra. Karen Oppermann Lisbôa é médica ginecologista e integra o Corpo Clínico do HSVP Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

O cálcio é um nutriente necessário em diversas funções biológicas, como contração muscular, impulso nervoso e o suporte estrutural do esqueleto. Quando há a ingestão insuficiente de cálcio, o organismo retira o mineral dos ossos, que são o maior depósito do nosso organismo, com a finalidade de sanar suas necessidades. Na saúde da mulher, o cálcio é de extrema importância, já que após a menopausa, há um grande risco de desenvolver a osteoporose. Conforme a médica ginecologista do Corpo Clínico do Hospital São Vicente de Paulo, de Passo Fundo, Dra. Karen Oppermann Lisbôa, o osso está em constante atividade, formando e gastando durante a vida. “Esse equilíbrio é perdido por ocasião da menopausa, quando o estrogênio deixa de ser produzido pelos ovários”, explica.

 

Risco de osteoporose
O estrogênio é essencial para a manutenção do remodelamento ósseo normal e a deficiência estrogênica leva ao aumento da remodelação óssea em que a reabsorção excede a formação, o que diminui a massa óssea. “O risco de osteoporose aumenta, no período da pós-menopausa, principalmente para aquelas mulheres que não fazem reposição hormonal”, afirma Karen. Além disso, dietas alimentares restritivas auxiliam no processo, segundo as nutricionistas residentes do HSVP, “a restrição alimentar, muitas vezes, limita a ingestão de nutrientes importantes, como o cálcio, devido à diminuição de grupos fonte desse nutriente, muitas vezes ocasionando ao aparecimento de doenças, como a osteoporose”.

(Matéria completa na edição impressa: Medicina & Saúde)

Gostou? Compartilhe