Programa estadual busca pacientes para continuar tratamento de doenças respiratórias crônicas

Primeira coordenadoria a aderir ao programa foi a da região de Cachoeira do Sul

Por
· 2 min de leitura
Proposta é realizar capacitações em municípios de todas as regiões do RS na modalidade à distância (Foto: Divulgação/Secretaria Saúde)Proposta é realizar capacitações em municípios de todas as regiões do RS na modalidade à distância (Foto: Divulgação/Secretaria Saúde)
Proposta é realizar capacitações em municípios de todas as regiões do RS na modalidade à distância (Foto: Divulgação/Secretaria Saúde)
Você prefere ouvir essa matéria?

Pacientes com doenças respiratórias crônicas que recebem medicamentos nas Farmácia do Estado estão no foco da busca ativa do Telecuidado Farmacêutico, uma ação do Programa Cuidar + RS, iniciativa da Coordenação de Política da Assistência Farmacêutica (Cpaf) da Secretaria da Saúde (SES). O objetivo do programa é garantir o tratamento com medicamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de forma integral e continuada, durante a pandemia do coronavírus.

Conforme a coordenadora do programa, Agnes Nogueira Gossenheimer, “foi um desafio construir esse serviço durante a pandemia, mas, tendo em vista a necessidade de acompanhar as pessoas que são grupo de risco nesse momento crítico, estruturamos um modelo baseado nas necessidades das pessoas com doenças respiratórias crônicas”. Ela explica que “para a implementação do programa é necessário o envolvimento de todas as partes, como o apoio da assistência farmacêutica das Coordenadorias Regionais de Saúde (CRSs), das secretarias municipais de Saúde e dos farmacêuticos que atuam na rede pública”.

A primeira adesão ao Cuidar + RS foi da 8ª CRS, com sede em Cachoeira do Sul. Até agora, nove profissionais, sendo sete farmacêuticos, dos municípios de Caçapava do Sul, Estrela Velha, Lagoa Bonita do Sul e Passa Sete e dois farmacêuticos da 8ª regional já receberam capacitações para atuar no programa.

Em parceria com a Escola de Saúde Pública (ESP), a proposta é realizar capacitações em municípios de todas as regiões do Rio Grande do Sul na modalidade à distância, utilizando metodologias ativas de ensino e aprendizagem. “Foram feitas simulações e atendimentos reais, com supervisão”, explica Agnes. “Os farmacêuticos dos municípios continuarão recebendo apoio técnico por meio de mentoria.”

Agnes afirma que um dos grandes problemas da assistência farmacêutica é a falta de adesão ao tratamento. “Muitas pessoas têm acesso ao medicamento, mas mesmo assim não o administram por diversas razões. A literatura científica mostra que aproximadamente 50% dos usuários administram 80% das doses de medicamentos prescritos e mais da metade interrompe o tratamento em menos de um ano”, lamenta. “Aqueles que seguem o tratamento nem sempre administram os medicamentos conforme o que foi prescrito.”

A coordenadora da 8ª CRS, Viviane Durigon, considera que o Cuidar + RS é um grande passo para a reorientação da assistência farmacêutica no Estado, mudando o olhar da logística do medicamento para a pessoa atendida no SUS. “Estamos no início do projeto na 8ª CRS, mas, com os dados iniciais, já podemos perceber o quanto o cuidado farmacêutico é necessário e o quanto pode impactar de forma positiva as pessoas e o sistema de saúde. Por isso é muito importante os gestores estarem sensibilizados para implementar esta prática”, conta Viviane.

A farmacêutica Ivana Dotto, de Lagoa Bonita do Sul, diz que o projeto veio para fazer diferença na vida das pessoas ao trazer uma forma de aproximar o paciente, mesmo em tempos de distanciamento social. “O projeto fortalece a nossa profissão, inserindo o farmacêutico com peça-chave no cuidado", avalia.

Gostou? Compartilhe