Epicovid19-RS terá outra etapa a partir de amanhã (05)

Passo Fundo é uma das novas cidades gaúchas em que o estudo será aplicado

Por
· 1 min de leitura
4,5 mil famílias em cada uma das cidades serão visitadas (Foto: Divulgação/Arquivo/ON)4,5 mil famílias em cada uma das cidades serão visitadas (Foto: Divulgação/Arquivo/ON)
4,5 mil famílias em cada uma das cidades serão visitadas (Foto: Divulgação/Arquivo/ON)
Você prefere ouvir essa matéria?


O estudo de Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Rio Grande do Sul (Epicovid19-RS), que estima o número de casos de coronavírus na população gaúcha, será estendido em mais duas etapas. A próxima etapa será realizada de 5 a 8 de fevereiro. Passo Fundo é um dos nove municípios gaúchos em que a pesquisa é aplicada.

As novas etapas trazem um diferencial em relação às anteriores: a inclusão de um novo teste de anticorpos para a covid-19, ao lado dos testes rápidos e entrevistas que já fazem parte dos procedimentos de coleta de dados do estudo. A decisão de incluir o método de testagem baseia-se numa maior precisão do exame para identificar a presença de anticorpos para a Covid-19, especialmente, em casos de infecções mais antigas.

Entrevistadores, coordenados pelo Instituto de Pesquisa e Opinião (IPO), visitarão as casas de 4,5 mil famílias em cada uma das nove cidades gaúchas, convidando os moradores para realizar os testes e responder a um breve questionário sobre ocorrência de sintomas e acesso a serviços de saúde. As residências serão escolhidas por sorteio.

O Epicovid19 é coordenado pela Universidade Federal de Pelotas e pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul. O objetivo do estudo é estimar o percentual de gaúchos infectados pela Covid-19, avaliar a velocidade de expansão da infecção, fornecer indicadores precisos para cálculos da letalidade e determinar o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas.

O estudo em andamento terá, ainda, mais uma etapa em abril. A data será definida pela coordenação da pesquisa.

Financiamento e apoio

O estudo conta com financiamento do programa Todos pela Saúde, do Banrisul, do Instituto Serrapilheira, da Unimed Porto Alegre e do Instituto Cultural Floresta. A pesquisa mobiliza, ainda, uma rede de doze universidades públicas e privadas em todo o estado: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA); Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos); Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc); Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ); Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Uruguaiana); Universidade de Caxias do Sul (UCS); IMED e Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Passo Fundo), Universidade de Passo Fundo (UPF) e Universidade La Salle (Unilasalle).

Gostou? Compartilhe